MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 20 de agosto de 2017    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea
N.º de Inventário:
51
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
O último interrogatório do Marquês de Pombal
Datação:
1891 d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Tela
Técnica:
Pintura a óleo.
Dimensões (cm):
altura: 333; largura: 505;
Descrição:
Pintura de História. Num salão escuro do seu palácio em Pombal, decorado com velhas estantes e um longo reposteiro por trás, o antigo ministro Sebastião José de Carvalho e Melo (1699-1782), Marquês de Pombal, octogenário e abatido pela doença, submete-se ao último interrogatório (Janeiro de 1780) sobre os abusos de poder durante o reinado de D. José, no âmbito da sindicância movida pela rainha D. Maria I. No centro da composição, iluminado, sobre um luxuoso tapete avermelhado, vê-se o velho marquês sentado num cadeirão de madeira trabalhada, virado para a esquerda, ricamente vestido e com uma cabeleira branca, movendo-se com dificuldade, inclinando-se para a frente e esboçando um gesto frágil com a mão direita, pedindo finalmente perdão à rainha, frente a dois juízes nomeados pelo governo que estão atrás de uma secretária de madeira trabalhada, à esquerda, um sentado, o outro em pé, vendo-se a seu lado o redactor da sessão escrevendo com uma pena. Junto do cadeirão, de joelhos, vêem-se as duas jovens filhas do réu agarradas ao pai, uma de costas com um longo vestido branco, e outra à direita do marquês, de vestido azul, olhando desesperadamente para os juízes. Atrás do cadeirão, de pé, assoma o vulto da esposa do velho marquês, vestida de preto e com um lenço na mão esquerda, encostando a cara ao cadeirão, a chorar.
Incorporação:
Transferência - Museu Nacional de Arte Antiga
Origem / Historial:
Oferecido à Academia Real de Belas Artes de Lisboa por quatro discípulas do autor, Condessa de Alto Mearim, D. Emília Romana Vasconcellos Gonçalves, D. Sarah de Vasconcellos Gonçalves e D. Adelaide Vasconcellos Barahona Gonçalves.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica