MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
segunda-feira, 25 de março de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional Machado de Castro
N.º de Inventário:
2514;P522
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Título:
Invenção da Cruz por Santa Helena / Painéis do retábulo-mor do Mosteiro de Santa Cruz, Coimbra
Autor:
Cristovão de Figueiredo (act. 1515-1555)
Datação:
1521 d.C. - 1530 d.C.
Suporte:
Madeira de carvalho
Técnica:
Óleo
Dimensões (cm):
altura: 150; comprimento: 140;
Descrição:
Pintura retabular; painel do retábulo-mor renascentista do Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra. A cena decorre num espaço exterior, representando Jerusalém, enquadrado à esquerda pelo Gólgota e à direita por pesnhascos que se alongam de forma irreal até ao limite da pintura. No primeiro plano divisa-se um grupo de figuras que se inclinam para o solo, de onde se desenterra a Cruz de Cristo. Desse grupo destaca-se à direita Santa Helena, faustosamente vestida e coroada, secundada por quatro aias, também ricamente trajadas e adornadas de jóias. Em segundo plano, ao centro, está erguida a tenda imperial, junto à qual foram armadas outras duas de menor dimensão. Uma multidão de soldados ladeia as tendas, à direita. A agitação da cena é criada pelo elevado número de figuras representado nos vários planos, pelos gestos dos braços das personagens do primeiro plano e pela hábil distribuição dos elementos em diagonais que se cruzam ou são cortadas por linhas horizontais. A atenção do observador dirige-se assim inevitavelmente para o ícone dos cristãos: a verdadeira cruz (Vera Cruz). A mesma que é a invocação do mosteiro dos frades de Santa Cruz de Coimbra, que com o patrocínio do rei D. Manuel puderam mandar pintor o retábulo-mor em que a exaltam. A moldura foi executada na Escola Industrial Brotero, até Setembro de 1916. Nota: descrição passível de ser alterada, em pormenores da composição, devido à intervenção de conservação e restauro, ainda erm curso. Hipóteses de reconstituição do retábulo, v. bibliografia: Dias, Pedro, 1983, pp.3-14; Pereira, Fernando António, 2001.
Incorporação:
Transferência - Conventos extintos. Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra
Origem / Historial:
*Forma de Protecção: classificação; Nível de Classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei nº 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; Nº 19/2006; 18/07/2006* ----------------------------------------------------------------------------------- Encomendado a Cristovão de Figueiredo para o altar-mor da igreja do Mosteiro de Santa Cruz, em 1521, o políptico só ficaria pronto em 1530. Foi mais tarde substituído por outra estrutura retabular que contemplava uma só tela e após a lei de 1834 (decreto da extinção das Ordens Religiosas), passou a pertencer ao Estado. Este e mais dois paineis do políptico foram integrados nas colecções do Museu.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica