MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 25 de agosto de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional Machado de Castro
N.º de Inventário:
2143;P14
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Santa Maria Madalena
Autores:
Simão Rodrigues (c.1560-1628)
Domingos Vieira Serrão (1570-1632)
Datação:
1611 d.C. - 1620 d.C. - Pintura Maneirista
Suporte:
Tela
Técnica:
Óleo sobre tela
Dimensões (cm):
altura: 65,3; comprimento: 73;
Descrição:
Pintura representando Santa Maria Madalena recolhida numa gruta que, à direita, deixa entrever o exterior, através da representação de nuvens sobre céu azul. A Santa personifica o arrependimento e a penitência, sugerindo desse modo o afastamento do mundo para meditar sobre o divino. Com a mão direita segura uma caveira, símbolo da fragilidade dos valores mundanos; sobre a mão esquerda pousa suavemente o rosto longo e dirige o seu olhar para o observador. A seu lado está pousado o vaso de perfumes que terá usado para ungir os pés de Cristo. A sua farta cabeleira a que os textos sagrados aludem, apresenta-se solta e caída sobre os ombros e as costas mas não lhe encobre a nudez. O braço direito da santa forma uma diagonal simétrica com o recorte da abertura da gruta. A luz incide fortemente sobre o rosto oblongo de Madalena, realçando-lhe a perfeição das linhas e as faces nacaradas, destacando-a assim da penumbra do cenário de fundo. Simultaneamente a luz realça também a anatomia alongada que ainda persiste neste quadro. Moldura de fabrico recente. Segundo Vitor Serrão, esta obra é, de todo o conjunto do retábulo associado à igreja do Convento de Santa Ana, a pintura que mais claramente aponta para uma adesão à gramática tenebrista. Isso é reconhecível pela importância do tratamento da luz que cria fortes contrastes lumínicos apesar dos tons ácidos da paleta, e ainda pela distribuição da cabeleira da santa que, afastada do rosto, o emoldura e enquadra a veste sóbria que enverga.
Incorporação:
Transferência - Conventos extintos: Mosteiro de Santa Clara (?) v. item Origem
Origem / Historial:
Recentemente, surgiu a hipótese de ligação destas cinco telas, cuja proveniência seria a Igreja do Convento de Santa Ana, em Coimbra. Teriam pertencido ao primitivo retábulo maneirista do altar-mor daquela igreja (v. Catarina Carvalho, 1995) Provável percurso desta pintura: Devido às cheias do rio Mondego, o espólio do Convento de Santa Ana passou para vários conventos, entre os quais o das Irmãs Ursulinas, daí para o Instituto de Coimbra, e finalmente para o Museu Machado de Castro.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica