MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 24 de março de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional Machado de Castro
N.º de Inventário:
2503;P69
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Coroação da Virgem Maria
Autores:
Simão Rodrigues (c.1560-1628)
Domingos Vieira Serrão (1570-1632)
Datação:
1611 d.C. - 1620 d.C. - Pintura Maneirista
Suporte:
Tela
Técnica:
Óleo sobre tela
Dimensões (cm):
altura: 142,5; comprimento: 171,8;
Descrição:
Representação da coroação da Virgem Maria pela Santíssima Trindade. A cena decorre num espaço irreal, e é testemunhada por uma glória de anjos que rodeiam e louvam os protagonistas. Em primeiro plano, a Virgem Maria, de frente, ajoelhada sobre nuvens, de mãos em atitude orante, recebe a coroa que Jesus Cristo e Deus Pai seguram. No último plano, ao centro, o Espírito Santo sob a forma de pomba abençoa a coroação. A composição é formada por três pirâmides paralelas: a primeira é desenhada pelos dois anjos em primeiro plano e tem o vértice na cabeça da Virgem; a segunda é constituída pelas diagonais simétricas que começam nas asas desses anjos, passam nos joelhos das duas figuras da Trindade, convergindo na coroa; a terceira tem por base as cabeças dos querubins que pairam em plano intermédio e termina na terceira figura da Trindade. Uma quarta pirâmide, invertida, tendo por base a Pomba, agrupa as cabeças de Cristo e Deus Pai e converge nas mãos da Virgem. A cor e a luz reforçam a mensagem dos restantes elementos compositivos. A luz banha com maior intensidade as figuras divinas, iluminando também o rosto da Virgem que, após a Assunção se transforma em Rainha do Céu. É o dogma da Virgem, saído do Concílio de Trento que está patente nesta tela, como instrumento catequético. Quanto à côr, há a predominância do amarelo que envolve as figuras divinas e do branco que define o espaço onde se desenrola a cena.
Incorporação:
Transferência - Conventos extintos: Convento de Santa Ana, Coimbra.
Origem / Historial:
Recentemente, surgiu a hipótese de ligação destas cinco telas, cuja proveniência seria a Igreja do Convento de Santa Ana, em Coimbra. Teriam pertencido ao primitivo retábulo maneirista do altar-mor daquela igreja. Provável percurso desta pintura: devido às cheias do rio Mondego, o espólio do Convento de Santa Ana passou para vários conventos, entre os quais o das Irmãs Ursulinas, daí para o Instituto de Coimbra e finalmente para o Museu Machado de Castro.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica