MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sábado, 16 de fevereiro de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional Machado de Castro
N.º de Inventário:
867;E111
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Escultura
Denominação:
Apóstolo
Autor:
Datação:
1530 d.C. - 1534 d.C.
Matéria:
Barro
Técnica:
Modelado e cozido
Dimensões (cm):
altura: 159; largura: 68; profundidade: 95;
Descrição:
Escultura de vulto de um grupo escultórico não agregado, em barro cozido, representando a figura de um Apóstolo, sedente, pertencente a uma Última Ceia. Apresenta a cabeça inclinada para baixo com rosto marcado por malares salientes, nariz adunco, sobrancelhas fortes, barba curta e encaracolada, cabelo liso, com franja caindo dos lados em cachos. Veste túnica de mangas largas, com grande decote, abotoada e presa na cintura, com pregas agrupadas sobre as pernas. Está descalço, com a perna e pé esquerdos avançados, Está muito mutilado, conservando actualmente a cabeça, o tronco, o braço direito até ao encaixe da mão e a perna esquerda.
Incorporação:
Legado - António Augusto Gonçalves
Origem / Historial:
* Forma de Protecção: classificação; Nível de Classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei nº 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei nº 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; Nº 19/2006; 18/07/2006* Esta obra faz parte de um conjunto - Última Ceia - executado para a Capela do Refeitório do Mosteiro de Santa Cruz. Em 1866, Joaquim Possidónio da Silva mandou cortar as peças, fazendo-as deslocar para Lisboa, para a Associação dos Architectos e Arqueólogos. Alertado por Martins de Carvalho (em "O Conimbricense"), o Presidente da Câmara - Dr. Manuel dos Santos Pereira Jardim - reclamou a restituição das peças. Encontravam-se completamente desintegradas, pelo que se foram dispersando pela cidade. António Augusto Gonçalves, desde finais do séc. XIX, dedicou-se à reconstituição do conjunto, comprando algumas peças e reunindo todos os fragmentos possíveis.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica