MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sábado, 24 de agosto de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional Machado de Castro
N.º de Inventário:
2520;P50
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Assunção da Virgem
Autor:
Vicente Gil (doc.Coimbra 1498-1525)
Oficina / Fabricante:
Coimbra
Datação:
1491 d.C. - 1518 d.C.
Suporte:
Madeira de carvalho
Técnica:
Óleo
Dimensões (cm):
altura: 168; comprimento: 135;
Descrição:
Pintura retabular; painel constituído por sete pranchas dispostas na vertical. Pintura a óleo sobre madeira, representando a Assunção da Virgem. Em primeiro plano ao centro da composição, a Virgem sobe amparada por quatro anjos, dois de cada lado. Espera-a Deus Pai que lhe envia raios de benção. Está rodeado por uma mandorla de querubins. Num registo inferior, correspondendo à terra, os apóstolos, junto do túmulo vazio, observam a assunção da Virgem. No canto inferior direito um mocho, dirige o olhar para o observador. Será a "marca" do autor? Ou do encomendante? As armas reais foram reproduzidas no firmal do manto do anjo que se encontra do lado esquerdo em baixo. No registo superior, outro anjo ostenta o ex-libris da mecenas, a rainha D. Leonor: o camaroeiro. Aparece no corpete, inciso no triângulo invertido (invertido também), e mais nove vezes, pintado a branco, na saia da túnica, disposto arbitrariamente em relação às pregas do panejamento. Rostos, olhos e excessiva utilização da folha de ouro, são marcas desta oficina que perdurarão até ao início do século XVII.
Incorporação:
Transferência - Conventos extintos. Mosteiro de Santa Clara, Coimbra
Origem / Historial:
*Forma de Protecção: classificação; Nível de Classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei nº 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; Nº 19/2006; 18/07/2006* Fez parte de um retábulo doado pela Rainha D. Leonor ao Mosteiro de Santa Clara, de Coimbra. V. Elemento de um conjunto: a proposta de reconstituição de um retábulo da autoria de Vicente Gil com estas sete pinturas (3 painéis mais 4 tábuas de predela) foi avançada por Joaquim Caetano no catálogo da Exposição "Francisco Henriques - um pintor em Évora no tempo de D. Manuel I", Lisboa, 1997, pp.194-203. Nesse mesmo artigo é proposta outra proveniência para o retábulo: o Mosteiro de Santa Cruz, de Coimbra. J. Caetano propõe ainda diferente datação: c. 1510-1520.

Título

Local

Data Início

Encerramento

N.º Catálogo

A Pintura dos Mestres do Sardoal e Abrantes

Abrantes, antigo Convento de S. Francisco / Lisboa,Fundação Calouste Gulbenkian

1971

Europália 91 - Feitorias

Antuérpia

1991

Europália 91 - Feitorias - Lisboa

Lisboa, MNAA

1992

A Rainha D. Leonor

Lisboa

1958

Vicente Gil e Manuel Vicente - Pintores da Coimbra Manuelina

Sala da Cidade, Antigo Refeitório de Santa Cruz, Coimbra

2003-07-16

2003-10-31

 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica