MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quarta-feira, 26 de junho de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu de Évora
N.º de Inventário:
ME 1517
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Descimento da Cruz
Autores:
Anónimo flamengo
Mestre do Retábulo da Sé de Évora (Círculo de Gerard David, 1460-1523)
Datação:
1530 d.C. - 1537 d.C.
Suporte:
Madeira
Técnica:
Óleo
Dimensões (cm):
altura: 77; largura: 105;
Descrição:
Ao centro, baixando por uma escada da qual se vê apenas a parte inferior, opção ditada pela forma do painel, um homem transporta o corpo de crsito nos braços. . Do lado direito, um outro homem ajuda o primeiro segurando as pernas de Cristo, cujo corpo sem vida aparece lânguido. Do lado esquerdo, Nossa Senhora, ajoelhada no chão, segura o braço do seu filho, em pé por detrás, aparece São José e uma outra figura de mulher. Do lado direito, em pé Maria Madalena vira o rosto para o lado limpando as lágrimas que correm e em frente dela uma jovem de cabelos compridos, com um traje que contrasta com a simplicidade das túnicas de Nossa senhora e Maria Madalena, ajoelha-se perante Crisrto. Ao funto uma paisagem, em que a linha do horizonte acentua a horizontalidade da pintura. Segundo Joaquim Oliveira Caetano (Caetano, 2000), a pintura manifesta, quer no estilo, quer nas fontes iconográficas e plásticas traços de alguma arcaicidade apresentando algumas afinidades com a "Deposição da Cruz" de Rogier van der Weyden, do Museu do Prado ou com a tábua central do triptíco da capela real de Granada, de Dierick Bouts.
Incorporação:
Transferência - Transferência da Biblioteca Pública de Évora
Origem / Historial:
Este painel , do qual se ignora a data de execução e o autor, faz parte de um conjunto de seis tábuas representando a Paixão de Cristo do qual faz parte, ainda, a "Última Ceia", a "Prisão de Cristo", o "Descimento da Cruz", a "Ressurreição e a "Ascenção", foi durante bastante tempo considerado com sendo a predela do retábulo-mor flamengo da capela-mor da Sé de Évora. Aquela que parece ser a primeira referência escrita a este retábulo data de 1537, ano em que o Cardeal Infante D. Afonso efectua uma visita à Sé de Évora. No relato desta visita, publicado por Túlio Espanca (Espanca, 1944 e 1970-71), refere-se a existência de um retábolo com as cenas da Paixão, que estaria colocado na capela dedicada a Nossa Senhora da Piedade, reformulada cerca de 1530 por iniciativa de João Mendes de Vasconcelos. Tendo a capela voltado a ser reformulada cerca de 1620, estes painéis foram retirados do seu lugar original e votados ao esquecimento. E é sómente no início de século XIX que o Arcebispo D. Frei Manuel do Cenáculo os vai trazer de novo à luz . Ao encontrar estes painéis, bem como o antigo retábulo da capela-mor da Sé, abandonados e em muito mau estado de conservação no Paço Arquiespiscopal, o arcebispo encarrega Matias José de Castro, pintor que então se ocupava dos tectos da biblioteca de Évora, de restaurar todas estas pinturas, as quais passarão a figurar na sua colecção. A colecção de D. Frei Manuel do Cenáculo Villas-Boas irá dar origem à colecção da Biblioteca Pública de Évora a qual, a 1 de Março de 1915, é transferida para o Museu de Évora.
Registos Associados
Património Móvel
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica