MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 5 de dezembro de 2021    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arqueologia
N.º de Inventário:
Au 536
Supercategoria:
Arqueologia
Categoria:
Numismática
Denominação:
Áureo de Marco Aurélio com representação de Salus
Oficina / Fabricante:
ROMA
Entidade Emissora:
Roma
Datação:
162 d.C. - 163 d.C. - Época Romana
Matéria:
Ouro
Técnica:
Cunhagem
Dimensões (cm):
espessura: 0,26; diâmetro: 1,91;
Descrição:
Anverso: Busto de Marco Aurélio, drapeado, à direita. À volta: IMP.M.ANTONINVS.AVG Reverso: Salus, à esquerda, drapeada, sacrificando pátera com a mão direita a um altar com serpente enrolada à volta. Na mão esquerda, segura um ceptro. À volta: SALVTI.AVGVSTOR.TR.P.XVII. No exergo: COS.III
Incorporação:
Outro - Mandato legal. Incorporadas pela Junta Nacional de Educação
Proveniência:
Borralheira. Teixoso, Covilhã
Origem / Historial:
*Forma de Protecção: classificação; Nível de Classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei nº 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei nº 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; nº 19/2006; 18/07/2006* Segundo notícia publicada no "O Arqueólogo Português" (OAP, NS Vol.II) trata-se de um achado casual feito por duas crianças, que brincavam junto a um penedo numa propriedade do Sr. Manuel Lino Roseta, na Covilhã, no dia 10 de Dezembro de 1953. Após a lavragem da terra, as duas crianças encontraram uma cavidade no terreno, que, ao ser remexida revelou várias moedas de ouro. Seguiram-se outras peças deste conjunto. Deram de imediato conhecimento à população da aldeia, que acorreu ao local, e começou também a escavar, revelando assim todo o tesouro. As peças foram "distribuídas" entre os habitantes, e algumas vendidas.Tomando conhecimento da situação, a GNR de Teixoso dirigiu-se no dia seguinte ao local, apreendendo a maioria dos objectos e depositando-os no cofre da Câmara Municipal da Covilhã. Sabe-se que alguns deles desapareceram entretanto. O Dr.Manuel Heleno, director deste Museu à altura, foi enviado ao local com o representante da Junta Nacional de Educação.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica