MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 23 de janeiro de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arqueologia
N.º de Inventário:
E 143
Supercategoria:
Arqueologia
Categoria:
Escultura
Denominação:
Estatueta de Ptah-Sokar-Osíris
Título:
Coleção Egípcia
Local de Execução:
Egipto
Centro de Fabrico:
Desconhecido
Datação:
VII a.C. - III a.C. - Época Baixa ou período ptolemaico
Matéria:
Madeira pintada e folha de ouro
Técnica:
Escultura e talhe com pintura polícroma
Dimensões (cm):
altura: 55; largura: 10,5;
Descrição:
Estatueta osiriforme com inscrição hieroglífica cursiva frontal, delimitada a traço grosso preto, a qual se repete nas costas da figura. O rosto apresenta ainda traços de dourado, restando também vestígios da pintura dos olhos a preto, bem como a linha negra que envolve o rosto e evoca a fita de suspensão da pêra osiríaca entretanto desaparecida. A cabeleira é azul, bem delimitada a traço preto, o qual envolve também a representação das orelhas. A estatueta não exibe o típico colar "usekh" que se vê em exemplares semelhantes, mas ele é sugerido pelo espaço de cor mais clara pintado entre as duas terminações da cabeleira que caem até ao peito. O corpo, elegantemente esculpido, é castanho e assenta sobre uma base que se prolonga em espigão para entrar na caixa em madeira que já não existe. Também já desapareceram as altas plumas que certamente exibia sobre a cabeça, restando apenas dois pequenos elementos de suporte a partir dos quais subiam as referidas plumas pintadas com o disco solar e a cornamenta retorcida que tipifica este género de estatuetas. O texto hieroglífico é constituído por signo cursivos a preto e razoavelmente desenhados. É enquadrado por traços largos a preto e corre na vertical sobre um fundo amarelo, não sendo fechado em baixo. Inicia-se pela clássica expressão "hotep-di-nesu" e apresenta-se simplificado, reduzindo ao essencial as invocações-oferendas, ou "peret-kheru" aqui gravadas (interpretada como " o que sai da voz") sendo como habitualmente solicitados o pão e a cerveja. A divindade evocada no texto é Osíris, que neste caso sintetiza o sincretismo de Ptah-Sokar-Osíris, cujos nomes surgem noutras estatuetas e noutro tipo de material funerário.
Incorporação:
Outro - Desconhecido
Proveniência:
Desconhecido.
Origem / Historial:
Desconhecido
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica