MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quinta-feira, 20 de janeiro de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arqueologia
N.º de Inventário:
999.2.25
Supercategoria:
Arqueologia
Categoria:
Cerâmica
Denominação:
Taça com inscrição
Datação:
X d.C. - XI d.C. - Idade Média - contexto Islâmico
Matéria:
Cerâmica
Técnica:
Roda. Decoração pintada a óxido de manganês
Dimensões (cm):
altura: 4; diâmetro: bordo: 19;
Descrição:
Taça de cerâmica coberta em ambas as faces de vidrado castanho melado, muito brilhante, com reflexos esverdeados. As paredes são curvo-convexas divergentes e têm um ressalto em moldura junto do fundo. Pé anelar baixo de perfil rectangular. Bordo apresenta perfil direito e boleado. Ostenta decoração pintada a óxido de manganês patente no bordo em forma de pequenos traços e, na face interior uma inscrição igualmente pintada a óxido de manganês. Pasta alaranjada, homogénea e bem depurada.
Incorporação:
Outro - Integrada no acervo do MNA por despacho de Ministro da Cultura.
Proveniência:
Castelo Velho de Alcoutim
Origem / Historial:
Taça proveniente das escavações de Helena Catarino realizadas no Castelo Velho de Alcoutim. Foi integrada no acervo do Museu Nacional de Arqueolgia por despacho do Ministro da Cultura, ofício nº 7049, de 10 de Novembro se 1997. Representa uma taça coberta totalmente de vidrado melado em que a decoração é executada em pintura a óxido de manganês. Tratando-se de uma peça de cerâmica de uso corrente, será interessante notar a importância dada a sua decoração através da forma e significado. Exceptuando os pequenos traços no bordo, a ornamentação centra-se no registo epigráfico que percorre paredes e fundo da taça de uma ponta a outra, repetindo três vezes a mesma inscrição, composta por duas palavras com significado propiciatório. A primeira "al-wafa" (fidelidade) e a outra que reproduz a formula "baraka" (benção), omitindo o artigo definido "al". Entre as diversas formulas de carácter propiciatório "baraka", é sem dúvida, uma das mais frequentemente reproduzidas em diversos artefactos de uso quotidiano, como por exemplo, em taças provenientes de Mértola onde esta inscrição ornamenta, num caso, cartelas circulares situadas na face exterior, e noutros figura no fundo. Estudo da peça: Eva - Maria von Kemnitz
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica