MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quinta-feira, 20 de janeiro de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arqueologia
N.º de Inventário:
999.3.2
Supercategoria:
Arqueologia
Categoria:
Cerâmica
Denominação:
Bilha com decoração a "verde e manganés"
Autor:
Desconhecido
Grupo Cultural:
Islâmico
Datação:
XI d.C. - Idade Média - Contexto Islâmico
Matéria:
Cerâmica
Técnica:
Torno alto
Dimensões (cm):
altura: 20,5; diâmetro: 18;
Descrição:
Pequena bilha de corpo piriforme, com arranque do colo, cilíndrico ou esvasado, e fundo plano, levemente convexo na ligação à parte inferior do corpo. Fabrico a torno alto, de cozedura oxidante, com pasta de cor creme amarelada (M. 10YR7/3), textura homogénea, de natureza arenosa, e elementos não plásticos finos. Superfície interna vidrada, de tom verde irregular, superfície externa com engobe creme amarelado sobre o qual conserva restos de vidrado transparente, portanto não estanífero. Técnica decorativa em "verde e manganés" na parte superior do bojo, cujos motivos ornementais mostram, no arranque para o colo, traços pintados a negro, que aparentam marca epigráfica; na ligação do colo com o ombro apresenta duas séries de traços ondulantes no interior de linhas horizontais; segue-se, no corpo, motivos dispostos na vertical, que representam "cordões da eternidade" delimitados por faixas duplas e intervalados de bolbos de flor de lótus. Esta peça, proveniente de uma fortificação de fundação omíada (séculos IX/X), foi recolhida em contexto habitacional da segunda fase de ocupação, que se insere na época dos reinos de taifas (século XI), quando esta técnica ornamental atinge grande divulgação no território de al-Andalus. Contudo, os motivos que a peça apresenta (cordões da eternidade e bolbos de lótus) reflectem a prevalência da simbologia do califado omíada de Córdova, presente em bilhas congéneres, por exemplo da cidade palatina de Medina Azahara. Helena Catarino.
Incorporação:
Outro - Integração por despacho do Ministro da Cultura.
Proveniência:
Castelo das Relíquias
Origem / Historial:
Bilha proveniente do Cerro das Relíquias, Giões, Alcoutim. Foi encontrada em contexto habitacional. Escavações de Helena Catarino. Foi integrada no acervo do Museu por despacho do Ministro da Cultura ofício nº 7049 de 10 de Novembro de 1997.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica