MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quarta-feira, 20 de outubro de 2021    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arqueologia
N.º de Inventário:
E 3397
Supercategoria:
Arqueologia
Categoria:
Escultura
Denominação:
Estátua de guerreiro calaico
Grupo Cultural:
Cultura Castreja do Noroeste Peninsular
Datação:
I d.C.
Matéria:
Granito
Dimensões (cm):
altura: 207; largura: 61; espessura: 45;
Descrição:
Monólito esculpido, representando uma figura de guerreiro, em posição hierática. Apresenta-se vestido com "sagum", com decote em "V" e manga curta, cingido por um cinturão, com 4 nervuras paralelas. A cabeça é proporcionada, exibindo um cabelo curto que deixa livres as orelhas, barba e bigode. Ostenta todos os seus atributos, quer bélicos: como um pequeno escudo ("caetra") redondo e plano, com umbo, decorado com motivos de tipo "labirinto", presa na mão esquerda com correias cruzadas no antebraço, e na mão direita, empunha um punhal triangular curto, com pomo discoidal, introduzido numa bainha com conto de perfil circular e linhas transversais de possíveis travessas; quer honoríficos (insígnias de poder), ostentando no pescoço um "torque" com aro aberto e em cada braço uma bracelete ("viriae") de três toros (Segundo Armando Coelho, op.cit).
Incorporação:
Outro - Mandato legal. Despacho Ministerial
Proveniência:
Outeiro Lezenho.
Origem / Historial:
*Forma de Protecção: classificação; Nível de Classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei nº 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei nº 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; nº 19/2006; 18/07/2006* Esta estátua, juntamente com outra,semelhante (E 3398), foi descoberta em 1789, em Montalegre (actualmente concelho de Boticas) e foram ambas levadas para os Jardins do Palácio Nacional da Ajuda, passando a integrar as Colecções Reais. Após a implantação da República, foram incorporadas, por decreto ministerial em 1911, no acervo do Museu Ethnologico Português - Museu Nacional de Arqueologia, por determinação do então Ministro das Finanças, José Relvas.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica