MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sábado, 16 de janeiro de 2021    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arqueologia
N.º de Inventário:
E 3397
Supercategoria:
Arqueologia
Categoria:
Escultura
Denominação:
Estátua de guerreiro calaico
Grupo Cultural:
Cultura Castreja do Noroeste Peninsular
Datação:
I d.C.
Matéria:
Granito
Dimensões (cm):
altura: 207; largura: 61; espessura: 45;
Descrição:
Monólito esculpido, representando uma figura de guerreiro, em posição hierática. Apresenta-se vestido com "sagum", com decote em "V" e manga curta, cingido por um cinturão, com 4 nervuras paralelas. A cabeça é proporcionada, exibindo um cabelo curto que deixa livres as orelhas, barba e bigode. Ostenta todos os seus atributos, quer bélicos: como um pequeno escudo ("caetra") redondo e plano, com umbo, decorado com motivos de tipo "labirinto", presa na mão esquerda com correias cruzadas no antebraço, e na mão direita, empunha um punhal triangular curto, com pomo discoidal, introduzido numa bainha com conto de perfil circular e linhas transversais de possíveis travessas; quer honoríficos (insígnias de poder), ostentando no pescoço um "torque" com aro aberto e em cada braço uma bracelete ("viriae") de três toros (Segundo Armando Coelho, op.cit).
Incorporação:
Outro - Mandato legal. Despacho Ministerial
Proveniência:
Outeiro Lezenho.
Origem / Historial:
*Forma de Protecção: classificação; Nível de Classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei nº 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei nº 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; nº 19/2006; 18/07/2006* Esta estátua, juntamente com outra,semelhante (E 3398), foi descoberta em 1789, em Montalegre (actualmente concelho de Boticas) e foram ambas levadas para os Jardins do Palácio Nacional da Ajuda, passando a integrar as Colecções Reais. Após a implantação da República, foram incorporadas, por decreto ministerial em 1911, no acervo do Museu Ethnologico Português - Museu Nacional de Arqueologia, por determinação do então Ministro das Finanças, José Relvas.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica