MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sábado, 25 de junho de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Etnologia
N.º de Inventário:
AC.805
Supercategoria:
Etnologia
Categoria:
Ritual
Denominação:
Máscara
Autor:
Desconhecido
Local de Execução:
Guiné-Bissau
Grupo Cultural:
Nalu
Datação:
XX d.C.
Matéria:
Madeira, policromia.
Dimensões (cm):
largura: 0.29; comprimento: 1.55;
Descrição:
Máscara do mesmo tipo da descrita na ficha nº AC.797. Dentes representados por triângulos dispostos base conta base, em ligeiro entalhe e deixando ente si a grossura da língua. Os chifres são em baixo de secção retangular e em cima redondos; unem-se nas pontas. O arco que lhes fica adiante e que termina por volutas a meio do crânio, segura o rabo do camaleão em duplo “S”. Uma peça em duas volutas erguem-se sobre crânio, um pouco atrás da cabeça do camaleão. Toda a peça é decorada com zonas, barras e triângulos policromados (em que predomina o preto, o verde e o vermelho), limitadas por entalhes pouco profundos. Farta guarnição de ráfia.
Incorporação:
Compra
Proveniência:
Guiné-Bissau
Origem / Historial:
Representação compósita que evoca nas suas formas uma associação mitológica entre o Homem; a água, representada pelo crocodilo; e a floresta, representada pelo antílope. Utilizada em rituais da sociedade iniciática Simô, tradicionalmente ligada a todas as manifestações sociais e cerimoniais do povo Nalú, sendo outrora interdita aos não-iniciados. Este objeto faz parte de um conjunto mais vasto adquirido por Victor Bandeira durante a viagem que fez a África entre Novembro de 1960 a Outubro de 1961 acompanhado da pintora francesa e sua companheira da altura, Françoise Carrel, na qual passou pelo Mali, Senegal, Sudão, Guiné-Bissau, Costa do Marfim, Gana e Nigéria. Em 1961, Victor Bandeira expôs a coleção que constituiu durante esta viagem na inauguração do Museu da Escola Superior de Belas Artes, no Porto. Nesta exposição conheceu Ernesto Veiga de Oliveira, estreitando-se a partir daí uma forte colaboração e relação de amizade com a equipa do museu, passando a adquirir grandes conjuntos de objetos para a constituição do acervo.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica