MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 23 de janeiro de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arqueologia
N.º de Inventário:
994.34.1
Supercategoria:
Arqueologia
Categoria:
Escultura
Denominação:
Estátua de Apolo
Grupo Cultural:
Lusitano / romano
Datação:
II d.C. - Época Romana
Matéria:
Mármore
Dimensões (cm):
altura: 163; largura: 77; espessura: 45;
Descrição:
Estátua de vulto inteiro representando Apolo, nu, erecto. Um carcaz de setas, de tampa aberta, foi posto sobre a parte superior de um tronco de árvore, elemento de suporte que adossado à perna direita contribui para a estabilidade da peça. Nas costas, junto aos ombros, formando um relevo quadrangular, ficaram as extremidades das madeixas onduladas do cabelo, que também cai à frente em duas pontas helicoidais sobre os ombros. Apresenta-se mutilada, cortada a cabeça pela base do pescoço, os braços pelas axilas e a perna esquerda pela coxa, embora esta última tenha sido reconstituída recentemente. O púbis, bem visível, e a base em que assentam os pés estão fracturados. Junto à figura, cuja nudez é símbolo de divindade, foram colocados o carcaz e a bolsa dos pastores, tendo desaparecido contudo o arco que costuma acompanhar a restante simbologia. Trata-se de um Apolo jovem, protector de pastores, deus da cultura e da sabedoria. Estamos perante uma das estátuas de divindades clássicas de maiores dimensões existentes no nosso território com características formais, boas proporções, regular desenvolvimento das massas corporais, movimentação do tronco e das pernas imitando de perto os modelos policleicos, mas o que resta dos cabelos indica que a cabeça foi feita segundo modelos helenísticos arcaicos. Este tipo de estátuas ecléticas foi comum nos meados do século II, época de Adriano ou Antonino o Pio. É um trabalho oficinal tendo por base um modelo cujas cópias foram difundidas por todo o Império. (Segundo ficha do Catálogo de Escultura Romana do MNA, da autoria de José Luis de Matos).
Incorporação:
Outro - Mandato legal. A escultura foi descoberta em 1876 na Herdade do Álamo, concelho de Alcoutim, por Estácio da Veiga. Fez parte do Museu do Algarve antes de dar entrada no MNA.
Proveniência:
Monte do Álamo
Origem / Historial:
*Forma de Protecção: classificação; Nível de Classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei nº 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei nº 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; nº 19/2006; 18/07/2006* A escultura foi descoberta em 1876 na Herdade do Álamo, concelho de Alcoutim, por Estácio da Veiga, depois de uma cheia nas margens do Guadiana. Fez parte do Museu do Algarve antes de dar entrada no Museu Etnológico de Belém.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica