MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contacts  separator  Help  separator  Links  separator  Site Map
 
Sunday, October 02, 2022    INTRODUCTION    ORIENTED RESEARCH    ADVANCED RESEARCH    ONLINE EXHIBITIONS    INVENTORY GUIDELINES 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
OBJECT DETAILS
Museum:
Museu Nacional de Arqueologia
Inventory number:
994.40.1
Supercategory:
Arqueologia
Category:
Escultura
Name:
Edícula votiva
Cultural Group:
Época Romana
Date / Period:
III A.D - Época Romana
Material:
Mármore
Measurments (cm):
height: 74; width: 34; length: 60;
Description:
Edícula formada por um nicho, com decoração arquitectónica e vegetalista na face principal, constituída por um arco de volta perfeita, assente sobre colunelos providos de capitéis de tipo jónico com volutas e florão central. A coroar o arco, um frontão triangular assente sobre pilastras formadas por pares sobrepostos de elementos em SS simetricamente afrontados. Ao centro do tímpano, uma corola de quatro pétalas ocupa o espaço entre a parte interna do frontão e o arco. A parte superior das vertentes do frontão encontra-se decorada por ramos de hera coleantes, elementos que sublinham o carácter religioso da edícula. Esta peça foi descoberta, em 1877, no contexto de um edifício balnear pertencente à villa romana da Quinta de Marim, tendo certamente funcionado como edícula votiva de carácter privado ou público destinada a albergar árulas ou estatuetas de algumas divindades, presumivelmente, relacionadas com cultos de cariz aquático e salutífero.
Incorporation:
Outro - Mandato legal. Foi encontrada nas ruínas romanas de um edifício balnear explorado no sítio da Quinta de Marim, em 1877, sob a direcção de Estácio da Veiga.
Provenance:
Quinta de Marim.
Origin / History:
*Forma de Protecção: classificação; Nível de Classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente, os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei nº 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei nº 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; nº 19/2006; 18/07/2006* O sítio de Quinta de Marim, pertença de João Lúcio Pereira, foi explorado por Estácio da Veiga, em 1877, enquadrado no estudo arqueológico do Algarve tendo em vista o levantamento da respectiva Carta Arqueológica. Nesta herdade assinalou e escavou importantíssimos restos de cinco construções romanas, indicadas na "Carta Archeológica do Algarve" como pertencentes a uma "povoação extinta ou arrazada". Dessas construções, entre elas, um balneário e um templo, levantou uma planta geral ou de conjunto, e quatro plantas individuais de cada construção. Todos os materiais recolhidos nos edifícios e na necrópole fizeram parte do “Museu Archeologico do Algarve”. Em 1894, Santos Rocha retomou as escavações na mesma herdade e descobriu o que julgou ser uma segunda necrópole mais pequena, da qual fez um levantamento da planta. Os materiais por si recolhidos foram depositados no Museu da Figueira da Foz. As peças do então denominado Museu do Algarve foram, em 1894, integradas no actual Museu Nacional de Arqueologia por decreto ministerial de 20 de Dezembro de 1893, pelo ministro Bernardino Machado (segundo OAP, I série, Vol. VII, 1903). Foi encontrada nas ruínas romanas de um edifício balnear explorado no sítio da Quinta de Marim, em 1877, sob a direcção de Estácio da Veiga.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Terms & Conditions  separator  Credits