MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
terça-feira, 25 de janeiro de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arqueologia
N.º de Inventário:
15091
Supercategoria:
Arqueologia
Categoria:
Cerâmica
Denominação:
Escudela
Autor:
Desconhecido
Datação:
XV d.C. - XVI d.C. - Idade Média - Contexto Islâmico
Matéria:
Cerâmica
Técnica:
Roda e moldagem à mão
Dimensões (cm):
altura: 5,2; diâmetro: base: 5,2; bordo: 14;
Descrição:
Escudela de cerâmica coberta em ambas as faces de vidrado castanho melado obtido do óxido de ferro. Artefacto conservado inteiro apresenta base côncave, parede de perfil carenado sendo o lance superior horizontal, bordo boleado. No fundo tem um ônfalo saliente. Junto do bordo duas pegas moldadas de fita formando uma espécie de triângulo polilobado, colocadas horizontalmente e de lados opostos. Sem decoração. Pasta beige acastanhada, homogénea e bem depurada. Contém alguns elementos não plásticos.
Incorporação:
Outro - -
Proveniência:
Desconhecido. Algarve (?)
Origem / Historial:
Escudela de proveniência desconhecida. Pertenceu à colecção de Júdice dos Santos (vide ficha nº Inv. 15043), conhecido coleccionador e antiquário que durante largos anos residiu em Silves onde adquiriu uma grande parte das suas peças. Esta escudela situa-se no contexto de produções cerâmicas de tradição islâmica constituindo uma continuidade de formas e técnicas do período almóada. Simultaneamente apresenta já modificações, sobretudo a dimensão mais pequena que se relaciona com a individualização de modos de comer, e a existência das pegas. As taças cobertas de vidrado melado que possuem pegas com o acabamento característico em forma de uma espécie de triângulo polilobado, como é o caso deste exemplar, pertencem a um período relativamente tardio que medeia entre os sécs. XV e XVI. A partir do séc. XVI elas vão rareando, sendo substituidas pelas tigelas de porcelana azul e branca importadas maciçamente da China. No acervo do MNA existem outros exemplares análogos conservados em fragmentos. Em Portugal são conhecidas peças semelhantes provenientes de Faro, Silves e Mértola. Estudo da peça: Eva - Maria von Kemnitz
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica