MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quinta-feira, 18 de agosto de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Etnologia
N.º de Inventário:
AK.892
Supercategoria:
Etnologia
Categoria:
Ritual
Denominação:
Machado
Autor:
Desconhecido
Local de Execução:
Ilha de Uno, Arquipélago Bijagó, Guiné-Bissau
Grupo Cultural:
Bijagós
Datação:
XIX d.C. - XX d.C.
Matéria:
Madeira, metal.
Dimensões (cm):
altura: 41;
Descrição:
Machado com lâmina de ferro e cabo de madeira. No cabo encontra-se esculpida a figura feminina com seios salientes e mãos apoiadas neles, saia de franja curta e cinto acima do umbigo.
Incorporação:
Compra
Proveniência:
Angodigo, ilha de Uno, arquipélago Bijagó, Guiné-Bissau
Origem / Historial:
Machado habitualmente produzido em reclusão no mato pelos jovens em processo de iniciação e depois utilizado pelas raparigas «defunto» em rituais de possessão. Este machado pertenceu ao rei Dom Carlos de Orango que ofereceu posteriormente à sua irmã casada com o chefe da aldeia de Andigo. Ainda que os Bijagós considerem que as mulheres não sejam iniciadas, para que estas atinjam o estatuto de mulheres adultas plenas (mulheres "grandes") devem passar por momentos performativos públicos na aldeia. Estes consistem em momentos de possessão dos espíritos dos rapazes que morreram antes de serem iniciados. Aqui elas chamam-se "defuntos" e incarnam uma identidade masculina patente em alguns adornos, nomeadamente, através do uso de sabres, espadas, bastões, escudos e machados. Esta prática decorre da crença que o espírito de um homem que morre antes de ser considerado adulto, permanecerá errante junto do mundo dos vivos, tornando-se uma energia perigosa na aldeia, causadora de doenças e mortes. São as mulheres que têm a capacidade de mediarem os dois mundos e de restabelecerem o equilíbrio. Através de rituais de possessão elas concluem o ciclo iniciático daqueles que morreram. O machado reveste-se de uma dualidade masculina e feminina: a agressividade masculina é manifestada pela lâmina e a fecundidade, ligada à capacidade reprodutora da mulher, está presente na figura feminina esculpida. Esta figura é a representação de uma jovem Bijagó com os atributos próprios dos padrões locais de beleza: tradicional saiote de ráfia, cabelo curto untado de argila, pernas fortes e pescoço gracioso.

Título

Local

Data Início

Encerramento

N.º Catálogo

Povos e Culturas

Galeria Nacional de Arte Moderna, Lisboa

1972-04

1972-06

Na Presença dos Espíritos: arte africana do Museu Nacional de Etnologia

Museu Nacional de Etnologia, Lisboa

2002-02-27

2003-03-23

Escultura Africana em Portugal

Museu Nacional de Etnologia, Lisboa

1985-12

 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica