MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
terça-feira, 21 de setembro de 2021    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Palácio Nacional da Ajuda
N.º de Inventário:
3227
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Paisagem com banhistas
Autor:
POELENBURGH, Cornelis Van (1586 – 1667)
Datação:
XVII d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Tela
Dimensões (cm):
altura: 15,4; largura: 20,9;
Descrição:
No primeiro plano, à esquerda, uma figura feminina, sentada no chão, com um pano cor de ocre em volta da cintura, fala com duas outras, que saem de um rio. Um pouco para a direita, está outra mulher, de pé e de frente, tapada apenas por um pano azul que traz à cintura. À direita, surge a correr uma terceira figura feminina, nua, levando nas mãos uma toalha branca. Por detrás das figuras, sobre o lado esquerdo, surge a encosta de um monte, encimado por ruínas. Os planos seguintes são de paisagem, fechada, ao fundo, por uma linha de montanhas. Tudo sob um céu azul, nublado.
Incorporação:
Transferência - Pertencia à colecção de pintura do rei D. Luís.
Origem / Historial:
Conforme a legenda posta por baixo de uma fotografia (de época) do quadro, patente no Álbum de Caricaturas de D. Luís (inv. 55454), a obra foi comprada em Paris. Por outro lado, Hugo Xavier, Historiador de Arte, deu a conhecer uma factura de 22-7-1867, segundo a qual a pintura foi comprada por Marciano Henriques da Silva, director da Galeria de Pintura de D. Luís. Integrou o acervo da referida Galeria, figurando na Segunda Sala-Quadros Antigos com os números 66 e 14, respectivamente dos catálogos de 1869 e 1872. Segundo as listas de partilha de bens de 1889, 1897 e 1899 (elaboradas por morte de D. Luís), bem como uma relação de quadros de 1898, a peça encontrava-se no Quarto de D. Luís com o n.º 210 e estava avaliada em 45$000 réis. De acordo com o Arrolamento Judicial, no início da década de 1910, figurava na Sala Escura ou do Saltimbanco, tendo sido então inventariada sob a verba J 9. Mais tarde foi colocada no Corredor Nobre e, depois, no Antigo Gabinete de Trabalho do Rei, onde se mantém.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica