MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quarta-feira, 29 de junho de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Etnologia
N.º de Inventário:
AK.882
Supercategoria:
Etnologia
Categoria:
Ritual
Denominação:
Adorno de braço
Autor:
Desconhecido
Local de Execução:
Ilha Formosa, Arquipélago de Bijagós, Guiné-Bissau
Grupo Cultural:
Bijagós
Matéria:
Madeira.
Dimensões (cm):
diâmetro: 38,5;
Descrição:
Disco de madeira, com uma abertura circular no centro, e um sector do seu perímetro reentrante. Uma das faces está decorada por quatro faixas raiadas preenchidas com motivos geométricos incisos escurecidos a negro, tais como: linhas, triângulos e losangos.
Incorporação:
Compra
Proveniência:
Ilha Formosa, Arquipélago de Bijagós, Guiné-Bissau
Origem / Historial:
Adorno de braço masculino. Complemento de traje característico dos rapazes da classe de idade "kañokã" ("canioca", "kanhokam"). Entre os Bijagós os rapazes não são avaliados pela sua idade verdadeira, mas pela classe de idade a que pertencem. Danielle Duquette (1983) refere um total aproximado de 8 classes de idade na generalidade das ilhas e Christine Henry (1994) especifica apenas 4 na ilha de Canhabaque, não se referindo a nenhuma classe de idade anterior à de "kañokã". É ideia geral que durante os primeiros anos de vida os rapazes não têm nenhuma norma de comportamento própria nem ocupam nenhuma posição social específica, correspondendo esta fase aos escalões etários ditos informais (BORDONARO, 2006: 46). Os escalões etários formais correspondem a classes de idade com prerrogativas próprias que têm início com a classe kanhokam, entre os 12 e os 17 anos (BORDONARO, 2006: 48). O acesso a este grupo é marcado por uma cerimónia secreta na floresta, durante a qual o jovem é introduzido no conhecimento de algumas propriedades medicinais das plantas que, por exemplo, afastam as cobras, muito abundantes nestas ilhas, e protegem contra energias mágicas negativas. Após várias reuniões com os grandes da aldeia, os jovens aprendem também que existe um código moral que não pode ser transgredido - roubo e difamação são punidos, e os antepassados e os mais velhos têm de ser servidos. Usa amuletos e começa a trabalhar no campo e a recolher o fruto da palmeira. Aprende a tocar o longo tambor. É neste grupo que os jovens rapazes começam a exteriorizar algumas das facetas reminiscentes de um passado guerreiro de forma exuberante nas suas danças, empunhando espadas de madeira e escudos de fibra entrançada que bramem durante a dança. Utilizam também à volta da cintura cinturões de couro e pulseiras nos pulsos. Nos braços, anéis de madeira que podem ser bastante largos e semi-cilíndricos (Uracane e Uno) ou discos achatados ligeiramente cortados de modo a permitir o braço encostar ao tórax (Canhabaque e Formosa) (DUQUETTE, 1983: 102; HENRY, 1994: 13). Entre alguns dos seus elementos decorativos encontramos animais domésticos, palmeiras e estrelas. Danielle Gallois Duquette descreve-nos ainda uma máscara bovina usada por este grupo etário, a gn’opara, com uns chifres naturais bastante longos e grandes, comparativamente ao tamanho da cabeça, referindo-se a uma produzida na ilha Formosa (DUQUETTE, 1983: 104).
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica