MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 18 de abril de 2021    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

   
     
   
Estilo Tapeceiro, Excessos decorativos e Tournures
Museu Nacional do Traje e da Moda



Apresentação

 

ESTILO TAPECEIRO, EXCESSOS DECORATIVOS E TOURNURES

A segunda metade do século XIX foi uma época de grande eclectismo nas artes e também na moda, sendo evidente a influência dos estilos de outras épocas. Em 1862, D. Luís I casava-se com D. Maria Pia de Saboia que, habituada à opulência da corte de Turim, trouxe para Portugal o gosto pelo luxo, festas e bailes de máscaras.

No mesmo período verificaram-se vários acontecimentos de carácter político, da fundação de partidos aos conflitos parlamentares, e de carácter cultural, da Questão Coimbrã à iniciativa das Conferências do Casino. A estas últimas estiveram ligados Antero de Quental e Eça de Queiroz, representantes de uma geração que caracterizou a vida intelectual da época.

Em Lisboa, o Passeio Público desaparecia em 1879 para dar lugar à Avenida, lugar de passeio das senhoras e seus acompanhantes e desfile para as toilettes que a pequena burguesia tentava copiar.

TRAJE FEMININO

As senhoras usavam vestidos de duas peças, compostos por corpete e saia, que eram confecionados com tecidos pesados. O espartilho colocado por baixo do corpete manteve-se em voga. A saia usava-se comprida, acumulando drapeados, passamanarias, berloques, fitas, laços, pompons e franjas. Este gosto pelos excessos decorativos foi denominado de estilo “Tapeceiro”.

Contudo, a silhueta característica deste período era dada por uma volumosa armação interior, chamada tournure, aplicada na parte detrás da saia. O traje feminino fortemente marcado por esta armação foi colocado em voga pelo costureiro Charles Worth. Este volume foi sendo mais ou menos acentuado, entre 1870 e 1890, oscilando entre um ligeiro apanhado de tecidos e uma dimensão de proeminente extravagância.

À noite, as senhoras usavam vestidos de veludo, cetim e brocados, com amplos decotes. As caudas eram usadas nos trajes de dia e de noite. Os padrões florais de grande escala eram os preferidos.

Os cabelos apanhados, formavam pequenos caracóis sobre a testa. Até 1885 as senhoras preferiam as pequenas capotas e depois passaram a usar pequenos chapéus. No calçado predominavam as botinas e os sapatos com salto.

Para proteção e para sair, as senhoras usavam as visites, espécie de capa com mangas em évasée, estreitas nos ombros e com aplicação de vários elementos decorativos. Para que assentassem bem sobre as tournures as visites formavam abas na frente e encurtavam atrás.

TRAJE MASCULINO

Durante o dia, os homens citadinos preferiam usar a sobrecasaca ou um casaco curto de corte arredondado. Os casacos assertoados de estilo “marinheiro”, começavam a estar em voga. As cores eram escuras, pois pretendia-se transmitir uma ideia de sobriedade e seriedade. Para a noite a preferência incidia na casaca e nos momentos de cerimónia no fraque. Na cabeça continuavam a usar-se cartolas e surgem os chapéus de coco.

Dina Caetano Dimas

imagem
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica