MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
segunda-feira, 20 de setembro de 2021    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

   
     
   
Estilo Tapeceiro, Excessos decorativos e Tournures
Museu Nacional do Traje e da Moda



Apresentação

 

ESTILO TAPECEIRO, EXCESSOS DECORATIVOS E TOURNURES

A segunda metade do século XIX foi uma época de grande eclectismo nas artes e também na moda, sendo evidente a influência dos estilos de outras épocas. Em 1862, D. Luís I casava-se com D. Maria Pia de Saboia que, habituada à opulência da corte de Turim, trouxe para Portugal o gosto pelo luxo, festas e bailes de máscaras.

No mesmo período verificaram-se vários acontecimentos de carácter político, da fundação de partidos aos conflitos parlamentares, e de carácter cultural, da Questão Coimbrã à iniciativa das Conferências do Casino. A estas últimas estiveram ligados Antero de Quental e Eça de Queiroz, representantes de uma geração que caracterizou a vida intelectual da época.

Em Lisboa, o Passeio Público desaparecia em 1879 para dar lugar à Avenida, lugar de passeio das senhoras e seus acompanhantes e desfile para as toilettes que a pequena burguesia tentava copiar.

TRAJE FEMININO

As senhoras usavam vestidos de duas peças, compostos por corpete e saia, que eram confecionados com tecidos pesados. O espartilho colocado por baixo do corpete manteve-se em voga. A saia usava-se comprida, acumulando drapeados, passamanarias, berloques, fitas, laços, pompons e franjas. Este gosto pelos excessos decorativos foi denominado de estilo “Tapeceiro”.

Contudo, a silhueta característica deste período era dada por uma volumosa armação interior, chamada tournure, aplicada na parte detrás da saia. O traje feminino fortemente marcado por esta armação foi colocado em voga pelo costureiro Charles Worth. Este volume foi sendo mais ou menos acentuado, entre 1870 e 1890, oscilando entre um ligeiro apanhado de tecidos e uma dimensão de proeminente extravagância.

À noite, as senhoras usavam vestidos de veludo, cetim e brocados, com amplos decotes. As caudas eram usadas nos trajes de dia e de noite. Os padrões florais de grande escala eram os preferidos.

Os cabelos apanhados, formavam pequenos caracóis sobre a testa. Até 1885 as senhoras preferiam as pequenas capotas e depois passaram a usar pequenos chapéus. No calçado predominavam as botinas e os sapatos com salto.

Para proteção e para sair, as senhoras usavam as visites, espécie de capa com mangas em évasée, estreitas nos ombros e com aplicação de vários elementos decorativos. Para que assentassem bem sobre as tournures as visites formavam abas na frente e encurtavam atrás.

TRAJE MASCULINO

Durante o dia, os homens citadinos preferiam usar a sobrecasaca ou um casaco curto de corte arredondado. Os casacos assertoados de estilo “marinheiro”, começavam a estar em voga. As cores eram escuras, pois pretendia-se transmitir uma ideia de sobriedade e seriedade. Para a noite a preferência incidia na casaca e nos momentos de cerimónia no fraque. Na cabeça continuavam a usar-se cartolas e surgem os chapéus de coco.

Dina Caetano Dimas

imagem
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica