MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 5 de julho de 2020    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

   
     
   
Traje Império
Museu Nacional do Traje e da Moda



Apresentação

 

Império e ideais revolucionários / Estilo Império

Com a Revolução Francesa, ocorrida em 1789, a moda sumptuosa do Antigo Regime desapareceu, dando lugar a um estilo mais simples. Os ideais revolucionários de “Liberdade, Igualdade e Fraternidade” conjugados com o gosto pela Antiguidade Greco-Romana transformaram radicalmente o vestuário feminino e masculino.

A partir da coroação de Napoleão em 1804, o traje de estilo Império impôs-se por toda a Europa, após os excessos cometidos no período pós-revolucionário. Em Portugal as invasões napoleónicas obrigaram D. João VI, em regência, e a sua mãe, a rainha D. Maria I, a partir com a corte para o Brasil, onde ficaram até 1821.

TRAJE FEMININO

As mulheres abandonaram os espartilhos e as anquinhas, assim como os pesados e ricos tecidos usados no período anterior. Os vestidos realizados em materiais leves e translúcidos como o algodão, apresentavam linhas direitas, cintura subida e curtas mangas de balão, acompanhadas de luvas altas. As saias chegavam aos tornozelos e as caudas eram usadas essencialmente na corte. As cores preferidas eram claras e o branco a cor de eleição.

Os tecidos bordados ou lavrados apresentavam padrões delicados. Apreciavam-se os motivos florais, vegetalistas e geométricos de pequena dimensão, como os círculos. Na extremidade inferior dos vestidos era usual aplicar-se uma barra profusamente ornamentada.

Para o frio, as senhoras protegiam-se com fichús, xailes de Caxemira com padrões de cornucópias e com casacos de corte redingote ou casaquinhos curtos, denominados de spencers.

Durante o estilo Império, os vestidos simples e direitos não permitiam o uso de bolsos e para se guardarem os pertences pessoais das senhoras surgiram as bolsas. Verdadeiramente úteis e complementares do guarda-roupa feminino, as “indispensáveis” bolsas rapidamente se tornaram acessórios decorativos repletos de encanto.

Os cabelos “à grega” eram apanhados e adornados com caracóis. As capotas, toucas e turbantes protegiam a cabeça. Os sapatos ou botinas sem salto, característicos do período, permitiam um andar natural.

TRAJE MASCULINO

Nas vésperas da Revolução Francesa, existia um grande entusiasmo pelas peças masculinas do traje inglês, quer pela qualidade da sua confeção quer pelo seu aspeto funcional.

Mas a grande novidade desta época foi a introdução das calças no guarda-roupa masculino. Provenientes do traje dos homens do povo e dos marinheiros, as calças começam a ser usadas como símbolo da revolução, pois os calções eram sinónimo do traje aristocrático.

Durante o dia, os homens trajavam casacos de cores sóbrias, calças e botas. No pescoço enrolavam uma longa tira de tecido branco que era presa com um nó decorativo, consoante a elegância do seu portador. Apesar destas inovações, à noite o traje masculino ainda era composto por casaca e colete bordados, calções e meias de seda, à semelhança do período anterior.

Sobre os cabelos curtos colocavam cartolas ou bicórnios, que por vezes eram adornados com plumas. O calçado era composto por botas da cano alto ou sapatos rasos.

Dina Caetano Dimas

imagem
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica