MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 23 de janeiro de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

   
     
   
Estravagâncias e novos ritmos na década de 1920
Museu Nacional do Traje e da Moda



Apresentação

 

EXTRAVAGÂNCIAS E NOVOS RITMOS na década de 1920

A Primeira Guerra Mundial (1914-1918) acelerou e demarcou as novas condições sociais, culturais e políticas da Europa. Este período conhecido como os Loucos Anos 20, foi uma época de prosperidade, de procura do prazer, de usufruto da vida nocturna e de renovação artística.

O consumo de revistas de moda generalizou-se, sendo as mais populares a “Voga”, “Modas & Bordados” e “Eva”. Contudo, as tendências de moda continuaram a chegar de França através das elites burguesas, que compravam e se inspiravam nas propostas das casas de Alta Costura parisienses. Em simultâneo, os grandes armazéns continuavam a implementar novos hábitos de consumo e a democratizar a moda.

A Garçonne personificava a mulher moderna e livre, que conduzia, fazia exercício, fumava em locais públicos e dançava ao ritmo dos frenéticos Fox trot e Charleston. Simultaneamente, o desenvolvimento da rádio e da indústria de discos e gramofones impulsionava a música ligeira e divulgava-a junto de um público mais abrangente.

TRAJE FEMININO

O vestuário feminino deu o passo definitivo para a funcionalidade, acompanhando o estilo Art Déco, caracterizado por uma decorativa e elegante geometria. A jovem da década de 1920 rejeitava as formas generosas e curvilíneas do corpo de inícios do século XX, procurando uma figura andrógina.

Os vestidos de linhas direitas com cintura descaída, enfatizavam um peito liso e um corpo sem curvas. Os decotes amplos e os braços desnudados eram atributos dos vestidos de dia e de noite. O comprimento das saias foi variando ao longo da década, mas só as mulheres mais jovens se atreviam a mostrar os joelhos.

Todavia, o traje feminino para a noite apresentava características específicas. Para dançar os vestidos eram curtos, com grandes decotes redondos ou quadrados e geralmente cortados em evasée. Os tecidos mais apreciados eram os chiffons, as mousselines, os crepes e os cetins, que se enchiam de missangas, lantejoulas, bordados, rendas e franjas. O preto, embora fosse a cor de eleição, rivalizava com os vestidos de cores mais vivas.

Por esta altura, as criações de Gabrielle “Coco” Chanel (1883-1971) destacavam-se pelas suas propostas simples e sóbrias que traduziam os anseios das mulheres modernas. Esta criadora introduziu com sucesso, os vestidos pretos de corte despretensioso, as calças e as práticas malhas Jersey.

Com a implementação dos vestidos curtos, os sapatos e as meias tornaram-se peças de relevo que se coordenavam com as toilettes. A biqueira do sapato era pontiaguda e os saltos altos eram torneados. De diversos materiais, para a noite, apreciavam-se as cores douradas e prateadas e os elementos com efeitos de brilho. Durante o dia usavam-se meias brancas ou meias de tom creme que davam um ar de nudez às pernas. Contudo, as meias de seda natural ou artificial com padrões e cores vibrantes também eram apreciadas.

Os cabelos compridos e apanhados da Belle Époque foram substituídos pelos cabelos curtos, de estilo prático, denominados “à Joãozinho” ou de corte “à Beatriz Costa”, que tão bem reflectiam a nova postura e valores da mulher na sociedade. Sobre estes usavam-se chapéus em forma de sino, denominados de cloches. As capelines, já sem os excessos decorativos do período anterior, continuavam a ser muito utilizadas.

Na década de 1920, novos avanços tecnológicos permitiram o desenvolvimento e o crescimento da cosmética. A maquilhagem tornou-se mais complexa, tendo surgido vários produtos, como o batom num prático tubo retráctil, o lápis de sobrancelhas, o rímel para alongar as pestanas, as sombras para acentuar o olhar e a caixa de pó compacto de rouge. Para as unhas a grande novidade foi o verniz, especialmente em tons vermelhos. Sem esquecer o perfume, o acessório invisível da moda.

TRAJE MASCULINO

Na década de 20, nas cidades generalizou-se o uso dos casacos cintados de tweed, espinhado ou em xadrez, de tons sóbrios. Estes eram acompanhados por calças muito largas com pregas e dobra na extremidade inferior, de tecido liso ou de fantasia. Esta nova forma de vestir, rejeitava os códigos de vestuário tradicionais e representava uma postura mais funcional e desportiva.

O smoking transformou-se definitivamente no traje masculino preferido para os eventos semi-informais, como jantares públicos ou privados, bailes e festas. Composto por casaco curto de cor preta com frentes arredondadas nas extremidades e lapelas de cetim de seda, era acompanhado por calças e laço do mesmo tom. No seguimento da década anterior, os fraques e as casacas continuavam a utilizar-se nas ocasiões mais solenes.

Os cabelos usavam-se curtos com brilhantina e a cara escanhoada, por vezes acompanhada de pequeno e elegante bigode. Para cobrir a cabeça preferiam-se os chapéus de copa mole e os chapéus de palhinha. A meio da década as gravatas adquiriram a sua forma actual, confeccionadas de seda ou lã, e os laços surgiram em diversos tons e padrões. As polainas começaram a cair em desuso e usavam-se sapatos de atacadores, muitas vezes bicolores.

Dina Caetano Dimas

imagem
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica