MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sábado, 18 de novembro de 2017    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

   
     
   
De Ulisses a Viriato - Primeiro Milénio a.C.
Museu Nacional de Arqueologia



Apresentação

 
A exposição pretende dar a conhecer alguns dos mais relevantes aspectos da história do território hoje português durante o 1º milénio antes de Cristo, ou seja, entre a Idade do Bronze Final (cerca de 1250 a.C.) e a conquista do Norte de Portugal completada por Augusto em 25 a.C., cujo retrato em mármore fecha a exposição. Da Idade do Bronze Final apresentam-se alguns materiais provenientes de pequenos casais dispersos, provavelmente auto-suficientes, mas já integrados em redes económicas e sociais, bem como muitos objectos metálicos - espadas, machados, foices e adornos em ouro - provenientes de um comércio europeu a longa distância. O início do comércio fenício, com o estabelecimento de colónias e feitorias a partir do século VIII a.C., no Sul de Espanha, provoca um surto de desenvolvimento que dá origem à 1ª Idade do Ferro. A partir do século VII a.C. conhecem-se em Portugal alguns destes lugares de que Santa Olaia é o mais importante. Procuravam prata e estanho e talvez também ferro. Traziam em troca ânforas de vinho e azeite, cerâmicas de engobe vermelho, louças pintadas, jóias, artefactos de marfim, vasos de vidro, entre outros. Um importante traço distintivo desta fase e do seu avançado nível civilizacional é denunciado pela escrita, cujo sentido permanece indecifrado apesar de conhecido o valor fonético dos seus caracteres e que hoje conhecemos só de lápides funerárias e de alguns grafitos, mas que poderá ter sido utilizada também em correspondência, assentos de mercadores ou registos administrativos. A 2ª Idade do Ferro - desde 450 a.C. - aparece marcada por uma expansão dos Celtas, que distribuiu mais largamente pelo Sul a característica cerâmica estampilhada daquele povo, que pode ser apreciada entre os materiais do Castro da Cabeça de Vaiamonte e de Segóvia. Também Alcácer do Sal, com as suas armas documenta essa penetração dos Celtas para Ocidente. De Alcácer do Sal são ainda provenientes os belos vasos gregos apresentados, que confirmam a retoma do comércio com Gadir. No Norte, os castros fornecem uma abundante cerâmica de pasta micácea e tons escuros. Os seus artífices foram também hábeis ourives, que produziram jóias magníficas, de que é expoente o torques de Vilas Boas. No termo da 2ª Guerra Púnica que desalojou os Cartagineses da Península Ibérica, os Romanos começaram a sistemática conquista da Hispânia. Trouxeram uma louça nova, fabricada na Campânia, ânforas de vinho e azeite, a moeda e sobretudo a língua latina.
imagem
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica