MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sábado, 26 de setembro de 2020    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE ENTIDADE
Museu:
Denominação:
Bordalo Pinheiro, Maria Augusta de Prostes
Tipo:
Autor
Nascimento:
14/11/1841
Óbito:
22/10/1915
Biografia:
Pintora portuguesa dedicou-se especialmente às Artes Aplicadas e às Artes Decorativas tendo-se notabilizado na renovação da indústria de rendas de Peniche. Filha do pintor Manuel Maria Bordalo Pinheiro e de Augusta Maria do Ó Carvalho Prostes, nasceu em 14 de Novembro de 1841 e faleceu em 22 de Outubro de 1915. Foi discípula de seu pai e de seu irmão Columbano Bordalo Pinheiro mantendo com este, até ao final da vida, uma relação muito estreita, sendo modelo de várias pinturas entre as quais sobressai A luva cinzenta. Com a sensível dedicação que se conhece, acompanhou-o a Paris, em 1881, em estada patrocinada pela condessa de Edla, por via de D. Fernando II. Talento multiforme, teve oportunidade de expor, ao longo da sua vida, pintura de tendência naturalista (as flores foram o seu referente de eleição), desenho, trabalhos em faiança, rendas e outros trabalhos de Artes Aplicadas. Participou em exposições da Sociedade Promotora de Belas-Artes, estreou-se nos certames do Grupo do Leão em 1885, esteve presente na Exposição Industrial em 1888, em diversas exposições do Grémio Artístico (onde foi distinguida com prémios em 1896 e 1998) e em mostras da S.N.B.A. (medalha de honra na Secção de Arte Aplicada em 1901). Em 1889, na Exposição Universal de Paris, a sua mestria e sensibilidade na arte das rendas foi premiada com medalha de ouro. Esta distinção não foi certamente alheia à criação de um ponto português, passando as rendas nacionais a um confronto mais visível com as de Alençon, Malines e Chantilly. Na Exposição Internacional de Antuérpia, em 1894, recebeu mais uma medalha de ouro. Obteve o Grand Prix na Exposição Internacional de St. Louis, nos Estados Unidos da América, em 1904. Maria Augusta dedicou-se com empenho ao estudo, ao ensino e à divulgação das rendas de Peniche, de Viana do Castelo, Vila do Conde, Póvoa do Varzim, Setúbal, Lagos, Silves, Nisa e Vila Nova de Famalicão. Dirigiu a partir de 1887 a Escola Industrial D. Maria Pia, em Peniche, mais tarde Escola Industrial de Rendeiras Josefa de Óbidos, e esteve à frente da oficina da Rua das Taipas, em Lisboa, mudando depois para a Rua António Maria Cardoso. Realizou frequentes exposições nesses dois ateliers. É interessante notar que no capítulo intitulado «A Arte» do livro, com intuitos pedagógicos, A minha pátria de Ana de Castro Osório refere-se, com certo destaque, as rendas de Peniche e elogiam-se as escolas industriais sendo publicada uma gravura de um lenço de renda de Maria Augusta Bordalo Pinheiro.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica