MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sábado, 15 de dezembro de 2018    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE ENTIDADE
Museu:
Denominação:
Costa, João Martins da
Tipo:
Autor
Nascimento:
Coimbra , 1921
Óbito:
Viseu, 2005
Biografia:
Nasceu em Coimbra em 1921. Frequentou o curso superior de Pintura da Escola de Belas Artes do Porto, onde foi discípulo de Dordio Gomes e de Joaquim Lopes. Premiado diversas vezes na escola, concluiu o curso em 1947 com a classificação de 18 valores. Ao longo do seu percurso artístico, pautado por viagens de estudo e inúmeras exposições individuais e colectivas, foram-lhe atribuídos vários prémios. Em 1946 ganhou a 2a medalha e a bolsa de viagem José Malhoa no Salão da Primavera da Sociedade Nacional de Belas Artes. Esta bolsa proporciona-lhe nesse mesmo ano uma viagem de estudo a Espanha, durante a qual executou trabalhos que expôs quando regressou ao Porto. Em 1947, com uma bolsa concedida pelo Centro de Estudos da Guiné, viajou por essa colónia. Pintou temas locais que expôs em Bissau, no Porto e em Lisboa. Realizou em 1950 uma viagem de estudo a Paris. Frequentou entre 1952 e 1953, como bolseiro do Governo Italiano e do Instituto de Alta Cultura, as escolas de Belas Artes de Roma, Florença e Ravena. Aí aperfeiçoou a técnica de pintura mural e realizou estudos de paisagem, que mostrou na Galeria António Carneiro, no Porto, em 1953. Nos trabalhos então expostos denotam-se características que se manterão na sua pintura: cores densas e surdas, formas geometrizadas e planificadas, pincelada pastosa. Datado do mesmo ano, o quadro Casas de Roma (Museu Nacional de Soares de Reis) foi pintado durante esta estada em Itália. Paisagem e composição de figuras serão, ao longo da sua vida, os temas a que mais se dedicará. Expôs individualmente no Porto, todos os anos entre 1945 e 1953, e em Lisboa, entre 1947 e 1953. Voltou a expôr individual¬mente: em 1960, em Lisboa; em 1968 e 1969, na Galeria Alvarez e na Galeria Divulgação, no Porto, na Biblioteca Museu de Amarante, e no Posto de Turismo de Matosinhos; em 1970, na Galeria Alvarez. Os textos de apresentação de muitas destas exposições individuais são escritos pelo próprio artista. Por exprimirem as suas intenções e preocupações artísticas, ainda que numa linguagem extremamente poética, constituem um grande auxiliar ao conheci¬mento e contextualização da sua obra. Além destes textos não há praticamente material de estudo sobre a obra de Martins da Costa, que se encontra quase toda dispersa por colecções particulares. Fez parte em 1951 da representação portuguesa na I Bienal do Museu de Arte Moderna de S. Paulo. Participou regularmente nas Exposições de Arte Moderna dos Artistas do Norte, realizadas no Porto a partir de 1945. Esteve presente em várias Exposições de Arte Moderna do Secretariado Nacional de Informação, obtendo os prémios: Armando de Basto em 1946; António Carneiro em 1948; Henrique Pousão em 1950. Expôs em 1959 e 1960 nos I e II Salões dos Novíssimos, organizados pelo Secretariado Nacional de Informação no Porto. Esteve representado nos Salões da Primavera da Sociedade Nacional de Belas Artes em 1946 e 1950. Expôs em 1957 na I Exposição de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian. Integrou a Exposição de Pintura Moderna. Algumas Obras do MNSR que decorreu em Amarante, em 1958. Nos anos 70 participou em diversas exposições colectivas, entre as quais, Levantamento de Arte do séc. XX no Porto, no Museu Nacional de Soares dos Reis, em 1975. Trabalhou também em cerâmica, realizando nesta técnica uma decoração para o Palácio dos Desportos, no Porto, que lhe valeu em 1956 o prémio da Câmara Municipal desta Cidade. Foi no entanto à técnica de pintura a fresco que Martins da Costa foi dedicando ao longo da vida cada vez mais tempo, realizando decora¬ções para vários edifícios no Porto: Palácio da Justiça, Capelas dos Colégios Brotero e Luso-Francês, escolas oficiais da Constituição e Monte Pedral, Escola de Artes Decorativas Soares dos Reis, cafés Embaixador e Garça Real. Realizou ainda uma pintura mural em Roma, na Embaixada de Portugal. Foi professor metodólogo do Ensino Técnico-plastífice (ETP). Afastado durante anos do meio artístico, viveu em Viseu. Morreu em 2005.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica