MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sábado, 19 de setembro de 2020    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE ENTIDADE
Museu:
Denominação:
Malhoa, José
Tipo:
Autor
Nascimento:
Caldas da Rainha, 28/04/1855
Óbito:
Figueiró dos Vinhos , 26/10/1933
Biografia:
Nasceu nas Caldas da Rainha a 28 de Abril de 1855. Foi estudar para Lisboa aos 8 anos e aos 12 entrou na Real Academia de Belas Artes de Lisboa, onde foi discípulo de Lupi, Prieto, Vítor Bastos e Anunciação. Obtendo no fim de todos os anos o 1º prémio, conclui o curso em 75. Concorreu a pensionista do estado no estrangeiro em 74 e 75, mas ambos os concursos foram anulados. Desiludido e decidido a não mais pintar, partiu “pincéis e paleta”e empregou-se como caixeiro na loja de confecções do irmão. Ao fim de seis meses, porém, começou a pintar A Seara Invadida (colecção particular) nos intervalos das refeições. Apresentou este quadro numa exposição em Madrid, obtendo grande sucesso. Acusado por uma senhora que o vira em Madrid de não aproveitar o seu talento nem o mostrar em Portugal, abandonou a loja onde trabalhara três anos para se dedicar definitiva e exclusivamente à pintura. Foi um dos fundadores do Grupo de Leão, criado em 1880. Se até então as paisagens que pintava, de gosto romântico e cores escuras, eram marcadas pelos ensinamentos de Anunciação, os quadros de ar livre dos anos 80, mais luminosos e de colorido mais intenso, demonstram que se abria à estética de Barbizon – introduzida em Portugal por Silva Porto – apesar de nunca lá ter estado. Dentro desse espírito naturalista começava o longo percurso de exaltação da cor e da luz de Portugal, que traçou apaixonadamente, numa linguagem muito própria. Ainda nos anos 80 instalou em Figueiró dos Vinhos a sua segunda residência – “O Casulo” – onde, fascinado pela luminosidade local, realizou grande parte das cenas rurais que o celebrizaram. Malhoa foi pintor de paisagens, cenas de género ou de costumes, retratos, nus, saltando de um género para outro sem a mínima preocupação ideológica ou de estilo. Alegre e comunicativo, criou numa visão descontraída e optimista da vida uma imensa obra que o popularizou e na qual o país encontrou identidade. A imagem que nos deu da realidade portuguesa da época é o “reverso da medalha” dada pelo seu contemporâneo Columbano, intimista de cores surdas, pintor oculto das coisas e das almas. As suas paisagens são quase sempre o suporte de narrativas. Raramente pintou a paisagem pela paisagem. Uma excepção à regra é o quadro de 1918, O Outono (Museu do Chiado), em que Malhoa experimentou, sem que tivesse consequências futuras, o divisionismo de tons e uma técnica pontilhista. È dentro das cenas de género de temas rurais – costumes e tradições portuguesas, trabalho e amores do povo, festas religiosas ou pagãs … - que “pinta sorrindo e cantando, quotidianamente, de Sol a Sol”(Ramalho Ortigão) que se encontram os seus quadros mais emblemáticos, tais como: A volta da Romaria de 1901 (colecção particular); Os Bêbados de 1907 (Museu do Chiado); O Fado de 1910 (Câmara Municipal de Lisboa); Promessas de 1933 (Museu de José Malhoa). Por volta dos anos 20-30, Malhoa começou a representar também a burguesia nos seus quadro de género, realizados com uma pincelada vincada, fortes manchas de luz e cores contrastantes, como por exemplo A Praia das Maças de 1918 (Museu do Chiado) e Hortenses de 1923 (colecção particular). Recebeu encomendas de composições históricas para diversos locais entre outros, para o Supremo Tribunal de Lisboa, a Câmara Municipal de Lisboa, o Palacete Lambertini, o Palácio Burnay e o Museu de Artilharia de Lisboa. Além dos retratos das gentes do povo que figuram nos quadros de género, pintou inúmeros retratos da aristocracia. O Retrato de Laura Sauvinet (Museu de José Malhoa), uma sua aluna, realizado em 1888, foi por ele considerado a sua obra-prima. Expôs incessantemente em Portugal: na Sociedade Promotora de Belas Artes em 1880, 84 e 87, obtendo medalhas de 1ª e 2ª classe com distinção; na Exposição de Belas Artes da Associação Industrial Portuguesa, em 86 (medalha de prata); no Grupo do Leão, de 1881 a 89; na Exposição Industrial Portuguesa em 1888 (medalha de prata); no Grémio Artístico, de 1881 a 1889 (medalha de prata de 82); na S NBA, de 1901 a 1933, obtendo várias medalhas de honra (1903, 1909, 1926, 1928) e de 1ª classe (1901, 1902, 1913, 1918); no Porto, em 1882, 1894, 1900, 1908, 1912, 1916 e 1917; em Guimarães em 1910; em Coimbra em 1925; nas Caldas da Rainha em 1927 e 1929. Realizou-se uma exposição retrospectiva da sua obra em Lisboa, em 1928, tendo-lhe então sido erigido um busto numa homenagem prestada nas Caldas da Rainha. Participou regularmente em exposições no estrangeiro: nos Salons de Paris, de 1897 a 1912, (menção honrosa em 1901); na Exposição Internacional de Berlim em 1896 (medalha de prata); na Exposição Universal de Paris de 1900 (2ª medalha); em Madrid, em 1881 e 1901 (2ª medalha em 1901); Rio de Janeiro em 1879 (medalha de prata), 1908 (medalha de honra) e, individualmente, em 1906; em Barcelona em 1910 (1ª medalha) e em 1918 (2ª medalha); na Exposição Internacional da Argentina em 1910 (1ª medalha); expôs ainda em Londres, Liverpool, S. Petersburgo, Santiago do Chile e Leipzig. Foi presidente da Sociedade Nacional de Belas Artes desde 1918. Condecorado inúmeras vezes e distinguido com diversos títulos em Portugal e no estrangeiro, viu em vida avançar o projecto de um museu com o seu nome, que seria inaugurado seis meses após a sua morte. Morreu em Figueiró dos Vinhos a 26 de Outubro de 1933. Em 1983 realizou-se, na Sociedade Nacional de Belas Artes (Lisboa) e no Museu José Malhoa (Caldas da Rainha) uma grande retrospectiva da sua obra.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica