MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
terça-feira, 20 de novembro de 2018    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE ENTIDADE
Museu:
Denominação:
Sousa, Cipriano da Cruz, Frei
Tipo:
Autor
Nascimento:
1645 (?)
Óbito:
1716
Biografia:
As únicas fontes biográficas para o estudo da vida e obra de Frei Cipriano são a Crónica de Tibães, manuscrito existente no arquivo do Mosteiro beneditino de Singeverga e o Livro do Noviciado de Tibães, da Congregação de S. Bento, no Arquivo Distrital de Braga. Não tendo achado informação exacta sobre a data de nascimento do escultor, Fr. Marceliano da Ascenção deixou em branco o seu registo na referida crónica (fl. 631): ‘…aos… de… 16…’. Filho de Pedro Fernandes (Pº Frz) e de Inês Gonçalves (Ignes Glz), Frei Cipriano nasceu na freguesia de Santa Maria Maior, em Braga, tendo-lhe sido dado o nome de Manuel e o sobrenome Souza. Manuel de Sousa terá nascido provavelmente entre 1645 e 1650. O nome pelo qual o conhecemos, escolheu-o quando, por volta dos 30 anos (1676) ingressou no Mosteiro de Tibães, casa-mãe dos beneditinos em Portugal. Como irmão converso, ou leigo, não foi ordenado padre, servindo o mosteiro com o ofício que aprendera e no qual já era afamado – o de imaginário. Não é conhecida a forma como se processou a sua aprendizagem do ofício; no entanto, pelas características técnicas da sua produção, facilmente se supõe que tenha iniciado a sua actividade numa oficina local. Sabe-se contudo que, quando ingressou na Ordem, era já «consumado immaginario», pretendido por outros conventos, ao que parece, sobretudo por Alcobaça. Não possui, apesar disso, documentada ou referenciada, qualquer obra anterior à sua entrada para a Ordem. No entanto, o mesmo não acontece com a sua produção enquanto monge-escultor. Foi responsável pelos programas escultóricos desenvolvidos pela Ordem na sua rede conventual, na região norte, bem como no colégio de Coimbra. O número de obras documentadas testemunha o grande volume de trabalho do artista, de acordo com o princípio beneditino Ora et labora. A autoria de mais de trinta obras conhecidas do escultor encontra-se bem documentada. Todavia, este número poderá ainda ser acrescido de algumas atribuições. O investigador Robert Smith, com base na análise de documentação arquivística que localizou esclareceu a autoria de numerosas obras que recenseou em 1968. Elencou as obras do escultor, onde figuram, para além das realizadas para a casa mãe, as esculturas que executou para a Igreja da Ordem em Coimbra, entre 1685 e 1690. Sabemos que, no período que passou em Coimbra, executou igualmente trabalho encomendado por outras instituições, fora da Ordem, como testemunha um recibo de pagamento, publicado em 1982 por M. A. Rodrigues, existente no Arquivo da Universidade de Coimbra. Este documento, datado de 1691, é o primeiro a revelar-nos a assinatura do escultor. Embora fosse restrito o âmbito da sua actividade, as competências que possuía eram bastante diversas, visto que sabia entalhar a madeira, lavrar a pedra e modelar o barro. Eram portanto muito diferentes as técnicas de produção que aplicava e as ferramentas que manuseava, consoante o tipo de matéria que trabalhava para produzir as suas obras. Um olhar rápido sobre o corpus das suas obras aponta quase exclusivamente imagens de vulto e relevos esculpidos em tamanho natural, com as figuras femininas representadas com cerca de 1,60m e as masculinas apresentando dimensões superiores a 1,80m, o que revela bem as convenções de representação do Barroco Nacional, em que a estatuária se submete à escala monumental dos receptáculos que a albergam. A sua obra ressente-se da influência da escultura castelhana do século XVII. É, no entanto, possível identificar elementos pertinentes, quase inconfundíveis, da mão do artista, que constituem autênticas chaves de leitura para as suas obras não documentadas. O carácter globalmente maciço das figuras, devido sobretudo a composições fortemente geometrizadas, o pregueado verticalizante com efeitos ziguezagueantes dos hábitos, e sobretudo o tratamento de cabelos e barbas, com sulcos profundos de formas encaracoladas de efeito serpenteado, constituem o seu léxico formal.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica