MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 20 de agosto de 2017    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE ENTIDADE
Museu:
Denominação:
Possoz, Milly
Tipo:
Autor
Nascimento:
Caldas da Rainha, 04/12/1888
Óbito:
Sintra, 00/00/1967
Biografia:
Emília Possoz, filha de pais belgas, nasceu a 4 de Dezembro de 1888 nas Caldas da Rainha. Ainda na infância mudou-se com a família para Lisboa onde frequentou o Colégio Alemão. Dedicando-se desde cedo aos estudos artísticos, nomeadamente à pintura, frequentou o atelier da pintora Emília dos Santos Braga, e, em 1904, aos 16 anos, continour os seus estudos em Paris, Holanda, Alemanha e Bélgica, regressando a Portugal cinco anos depois. Considerada uma das principais figuras femininas do modernismo português, Milly Possoz, é reconhecida e valorizada sobretudo pela sua temática muito feminina, com meninas, flores, paisagens, gatos, cenas urbanas e retratos reais ou inventados, quase sempre imbuídos de alguma ingenuidade e deslumbramento. A sua feminilidade estende-se também à técnica, sendo perceptível a doçura do seu gesto como desenhadora e pintora. O seu percurso profissional foi iniciado com a colaboração em diversas publicações, entre elas as revistas “ABC”, “Athena”, “Contemporânea” e a “Ilustração Portuguesa”, bem como a participação em inúmeras exposições colectivas e individuais, levando à sua consagração no meio artístico português. A sua arte teve maior impacto no panorama da Arte Portuguesa entre as décadas de 1920 e 1940, onde, pelo seu forte gosto pessoal e pela solidez do seu trabalho assumiu um lugar muito pessoal. Em 1940, a convite do arquitecto Cottinelli Telmo, participa como decoradora da Sala do Japão do Pavilhão Português da Exposição do Mundo Português, inspirando-se na decoração dos Biombos Namban. Apesar da sua vasta obra de pintura, desenho, ilustração e gravura, foi com o programa decorativo do Livro de 2ª Classe, editado pela primeira vez em 1958, que ficou conhecida pelo público em geral. Artista reconhecida nacional e internacionalmente recebeu vários prémios ao longo da sua carreira, como a Medalha de Ouro na Exposição Internacional de Paris, em 1937, o Prémio Amadeu de Souza-Cardoso, em 1944, o Prémio de Desenho José Tagarro, em 1949 e o Prémio de Pintura Columbano, em 1951, entre muitos outros. Actualmente está representada em colecções públicas, como o Museu do Chiado e particulares, tanto em Portugal como no estrangeiro, nomeadamente, na Bélgica e nos Estados Unidos da América.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica