MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quarta-feira, 28 de setembro de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE ENTIDADE
Museu:
Denominação:
Freire, Luciano
Tipo:
Autor
Nascimento:
Lisboa, 00/00/1864
Óbito:
Lisboa, 28/01/1934
Biografia:
Luciano Freire nasce em Lisboa em 1864. Em 1886 conclui o curso de Pintura Histórica na Academia de Belas-Artes, onde mais tarde, lecciona uma cadeira de desenho até 1933. Participa na Sociedade Promotora de Belas-Artes, em 1887, onde apresenta D. Sebastião. No final da década de 1880, o pintor deixa de se dedicar exclusivamente à pintura histórica, passando a abordar as pinturas de retrato, onde se denota um apurado sentido de observação e de género. Datam desta época um Auto-retrato (1885) marcado por um sóbrio jogo entre luz e sombra e a obra Catraeiros, que em 1895 lhe valeria a nomeação como académico de mérito na academia. Enquanto pintor Luciano Freire distingue-se pelas suas paisagens, de que se destacam Bucólica (1906), obra em que a representação de um poético contra-luz denota uma evocação simbolista ou Desolação (1900) que apresenta uma paisagem melancólica, com uma aura trágica evocada pela simplicidade e pela solidão. Durante os seus anos de actividade, Freire viaja pelo estrangeiro, visita museus e galerias, contacta com outros artistas e com eruditos portugueses e estrangeiros, facto que o levam a consciencializar questões artísticas e patrimoniais. Assim, em paralelo com a sua acção artística, o pintor começa a dedicar-se ao estudo e investigação sobre problemas de arte, particularmente sobre a conservação e restauro de pintura. Luciano Freire, reconhecido pelos numerosos trabalhos de restauro de pinturas pertencentes às colecções nacionais, destaca-se na intervenção do famoso e polémico restauro dos Painéis de S. Vicente, que o seu amigo José de Figueiredo atribui nessa época ao pintor quatrocentista Nuno Gonçalves. O seu gosto e os seus méritos enquanto investigador, pintor e restaurador permitem a nomeação para director do Museu dos Coches em 1911, mantendo uma colaboração activa nos processos de organização e funcionamento do Museu Nacional de Arte Antiga e uma participação regular nas secções artísticas de diversas revistas e publicações ilustradas. O pintor morre na cidade onde nasceu em 28 de Janeiro de 1934.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica