MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sábado, 23 de janeiro de 2021    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE ENTIDADE
Museu:
Denominação:
Cruz, Cristiano
Tipo:
Autor
Nascimento:
Leiria, 06/05/1892
Óbito:
Silva Porto, Angola, 21/10/1951
Biografia:
Christiano Alfredo Sheppard Cruz nasce em Leiria a 6 de Maio de 1892, e morre em Silva Porto, Angola, a 21 de Outubro de 1951. Após concluir o curso dos liceus em Coimbra, Christiano Cruz vem com a família para Lisboa, para estudar Medicina Veterinária, e é durante os seus anos de estudante na capital (1910-1915) que o artista produz uma fulgurante e inovadora obra gráfica humorista, publicando regularmente, até 1913, desenhos em vários jornais da capital (A Farsa, A Luta, Novidades, A Capital, etc.). Participando activamente na fundação da Sociedade de Humoristas Portugueses, da qual era terceiro vogal, expõe com o grupo no 1º e no 2º Salão dos Humoristas (1912 e 1913) no Grémio Literário, em Lisboa, primeira manifestação pública de arte moderna em Portugal, na qual se destacou desde logo a novidade do seu traço, sintético, assumido como signo gráfico autónomo, assim como as posições públicas que teve de tomar. O 1º salão origina uma inédita polémica na imprensa da capital, de portuguesismo versus internacionalismo, e Christiano, tomado como porta-voz do grupo, e em depoimentos pedidos pelos jornais, assume uma ruptura com a opinião dominante, defendendo a liberdade autoral e a insubmissão dos artistas face ao gosto mediano do público, e inventa provocatoriamente a célebre declaração de “guerra à bota-de-elástico!”, que Almada Negreiros assumiria mais tarde ser o grito de uma geração inteira. Em termos estéticos, propõe a ideia de uma “caricatura impessoal”, do artista gráfico como um “romancista do traço” que devia pôr as suas faculdades ao serviço de uma ideia, de crítica social e de costumes, e não repetir fórmulas ultrapassadas, como a caricatura política herdada de Rafael Bordalo Pinheiro. Estes depoimentos do artista à imprensa, no rescaldo dos salões humoristas, são uma novidade absoluta no panorama artístico de inícios do século XX, e pioneiros na ultrapassagem de uma matriz oitocentista e divulgação pública dos ideais modernistas em Portugal. A partir de 1915, ano em que conclui a licenciatura, e com a caricatura já posta de lado, Christiano dedica-se cada vez mais à pintura, trilhando um caminho inovador que se consolida no período final da sua produção, entre 1916 e 1919. Perto de uma vintena de trabalhos sobrevivem hoje, onde se incluem vários auto-retratos, e por vezes, motivos de teor simbolista, encenados num expressionismo gráfico inédito em Portugal, cuja radicalidade estética só então era partilhável com Amadeo de Souza-Cardoso. Em Janeiro de 1917, já em pleno serviço militar, Christiano parte para França com o Corpo Expedicionário Português, que combate na frente ocidental da Grande Guerra, com o posto de tenente médico. No sector português, preenche um álbum com croquis de situações quotidianas, intitulado Cenas de Guerra, e continua a produzir pequenos guaches sobre cartão. Nesse período, o artista vem de licença a Lisboa em 28 de Março de 1918, para apresentar a sua tese de doutoramento em Medicina Veterinária; só regressará definitivamente ao país no final do ano, depois do Armistício. Após um período de indefinição, e inesperadamente, Christiano Cruz decide abandonar toda a actividade artística, aos 28 anos de idade, para partir em Outubro de 1919 para Lourenço Marques, com uma comissão de cinco anos como médico veterinário. A partir dessa data morre para o mundo artístico, e nunca mais voltará a expor, ou produzir obra relevante. Um exílio voluntário que adquiriu contornos míticos na arte portuguesa, numa geração artística marcada pela perda (mortes de Amadeo e Santa-Rita, emigração de Almada Negreiros), decisão que terá a ver com uma sensibilidade ferida por alguns episódios de traição, mas sobretudo, por um desencanto e amargura do artista em relação à vida artística portuguesa, que em vão tentara agitar nos tempos do humorismo. Como bem viu António Rodrigues, foi o representante perfeito, porque pioneiro, de uma impossibilidade de implantação consequente da modernidade em Portugal. O Dr. Sheppard Cruz vive em Moçambique até 1950, fazendo da medecina veterinária a sua profissão, com visitas isoladas à metrópole em 1923 e em 1930. Em 1951, é transferido para Angola, contra a sua vontade, como veterinário-chefe da província do Bié, em conflito com colegas e superiores, por motivos políticos. Morre poucos meses depois, inadaptado num país que desconhecia, a menos de dois anos da reforma.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica