MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quinta-feira, 18 de abril de 2024    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE ENTIDADE
Museu:
Museu da Cerâmica
Denominação:
Motta, António Augusto da Costa
Tipo:
Autor
Nascimento:
Coimbra, 1877
Óbito:
Lisboa, 1956
Biografia:
António Augusto da Costa Motta (Sobrinho), nasce em Coimbra em 1877, filho de Maria Emilia Rosa e José Augusto da Costa Motta. Em 1889, ingressa na Escola Industrial Brotero, onde tem por Mestre António Augusto Gonçalves que o introduz na arte da cerâmica e lhe transmite uma sólida base técnica. Na Escola Brotero, aprende a modelar o barro, a compor as pastas, os vidrados, os esmaltes e a decoração da cerâmica incluindo pintura a grande fogo. Em 1893, frequenta o Curso Geral de Desenho da Escola de Belas Artes, em Lisboa, que termina com distinção, onde vem a ser aluno e discípulo de Simões de Almeida Tio e de António Augusto Costa Motta, tio paterno, que marcará a sua formação artística. Em 1897, ingressa no Curso de Escultura Estatuária, onde se notabiliza nas cadeiras de escultura. Em 1903, casa com Carlota Cid Rodrigues, partindo no ano seguinte para Paris, onde trabalha com o Mestre Jean-Antoine Injalbert (1845-1933). Em Paris, Costa Motta Sobrinho conhece os valores da Academia Francesa e assiste ao nascimento de novos gostos. É a geração que prepara a Arte Deco. Nesta fase, executa o «Esboço do Cavador» em bronze, participa no Salon de Paris, no «Grand Palais», é premiado pela «Manhã de S. João», executando na mesma altura o «Preparando-se para a Luta», ambos os trabalhos revelam uma silhueta bem elaborada e delicados pormenores de acabamento. Estas duas obras marcam a escultura de Costa Motta Sobrinho, que entra definitivamente no panorama artístico nacional. A sua escultura assenta numa base clássica, imprimindo vigor, emoção e harmonia, onde junta aos princípios académicos, o valor da expressão estética do simbolismo desguarnecido da monumentalidade tão querida do meio cultural português. Em 1906, já de regresso a Lisboa, expõe no 6º Salão da Sociedade Nacional de Belas-Artes, recebendo a 1ª medalha de escultura, com as obras, «Tio Túlio» (bronze) «Bebé» (mármore), da colecção do Museu de José Malhoa, «Manhã de S.João» (gesso), «Preparando-se para a Luta» (gesso) e o busto de «Silva Porto» (gesso). Em 1908, é medalha de ouro na exposição comemorativa do primeiro centenário da abertura dos portos do Brasil ao comércio internacional, no Rio de Janeiro. Por indicação de Brito Camacho, compadre do escultor e amigo do Dr. Martins Pereira, Costa Motta é convidado para a direcção artística da Fábrica de Faianças das Caldas da Rainha, que fora adquirida em hasta pública por Manuel Augusto Godinho Leal, a um grupo de amigos de Manuel Gustavo Bordalo Pinheiro. Ao assumir a direcção da fábrica, Costa Motta fomenta a renovação da faiança das Caldas, propõe a educação estética das populações, procura a complementariedade entre a indústria e a criação artística, desenvolve a formação técnica e artística do operariado, conservando o carácter da faiança das Caldas, aproveitando e estilizando os motivos da fauna e da flora, os seus esmaltes, os efeitos metálicos, superfícies texturadas, tonalidades cromáticas e as suas pastas. Transpõe para a cerâmica o seu gosto em captar a fisionomia humana, o sorriso de uma criança ou as rugas vividas de um velho. É o caminho entre a escultura e a cerâmica, visível nos bustos,« Bonifácio», «Busto de Criança», «Fialho», «Preto» e na reprodução de outros, como,«Tio Túlio» e o «Actor Taborda». Em 1909, participa no 7º Salão da Sociedade Nacional de Belas-Artes, na categoria de Artes Decorativas e Aplicadas, com várias peças de cerâmica produzidas nas Caldas da Rainha, onde recebe a 1ª medalha. Costa Motta Sobrinho apresenta a cerâmica ao lado de outras formas consagradas de expressão artística, conferindo a esta o estatuto de «arte maior». Da sua obra cerâmica, destacam-se peças como o «Vaso de Jardim com Caracóis» e o »Jarro da Folha de Eucalipto», onde conjuga as influências da tradição das Caldas, de origem natural, que prolongam os sentidos, com outras de características eruditas, que se revelam pelo grafismo, pureza de linhas, simplicidade, utilização da cor e composição, ligadas aos movimentos estéticos da época. Em 1912, cria a «Jarra Nó», conjugando uma forma, (dois braços, que se abrem para fazerem dois nós nas extremidades) e um brilho pouco comuns. As sucessivas exposições organizadas por Costa Motta Sobrinho, tanto em Lisboa como no Porto, representam algo de novo, em que pela primeira vez, a cerâmica é apresentada simultaneamente como arte e utensílio. Em 1914, de regresso a Lisboa, depois da experiência das Caldas da Rainha, a sua faceta de artista de grandes recursos técnicos acentua-se imprimindo às esculturas vigor, emoção e harmonia, dando sempre preferência à escala humana em detrimento da monumentalidade. É inaugurado o monumento de homenagem ao Actor Taborda, no Jardim da Estrela, busto em bronze, trabalho realizado em 1911, por Costa Motta Sobrinho; expõe no 11º Salão da Sociedade Nacional de Belas-Artes, a «Guardadora de Patos» (mármore), realizada também em pedra, tendo como modelo sua filha Maria Emilia. Em 1915, é inaugurado o busto de homenagem ao Professor Silvestre Bernardo Lima, em bronze, na Escola de Medicina Veterinária, em Lisboa e participa na decoração escultórica do Pavilhão de Portugal na Exposição Universal de São Francisco (Panamá). Em 1917, expõe no 14º Salão da Sociedade Nacional de Belas-Artes, a «Sagrada Família» (bronze) e o busto do «Actor Carlos Santos». Seguem-se outras exposições nos anos seguintes, na Sociedade Nacional de Belas-Artes, com outras esculturas, tais como: «Virginia», o busto de «Eça de Queiroz», o de «José Maria Alpoim», a «Santa Família», o «Alvorecer», esta em mármore de Carrara foi oferecida pela viúva ao Museu Nacional Soares dos Reis, do Porto. Em 1921, executa para o Palácio de S. Bento, o gesso «A Justiça». Posteriormente, com os arquitectos Rebelo de Andrade participa com decorações escultóricas, na concepção dos Pavilhões de Honra e das Indústrias que Portugal apresentou na Exposição Internacional do Rio de Janeiro, o segundo dos quais foi reconstruido no Parque Eduardo VII, em Lisboa, actualmente designado por Pavilhão Carlos Lopes. Em 1925, instala a mufla que será utilizada para os trabalhos das Capelas do Buçaco. Em 1928, é inaugurada a Escola de Cerâmica António Augusto Gonçalves, onde criou as decorações, recorrendo a composições florais geometrizadas e integrando o medalhão com o busto de António Augusto Gonçalves na fachada e onde assumiu a direcção no ano seguinte. A escola denominada de «escola-oficina» preparou artistas-técnicos e lançou a base do design, sendo inovadora na atribuição de recompensas aos alunos que mais se distinguiam. No ano seguinte, assume a direcção da escola, onde fica até 1947. Posteriormente esta é denominada de António Arroio. Costa Motta Sobrinho, alheio ao movimento moderno, foi o primeiro, a modernizar o sistema educativo artístico português. Artista de contradições, cultivou distintas formas de expressão plástica, da escultura à cerâmica, defendeu a fidelidade dos materiais, o carácter orgânico sobre a forma, profundo conhecimento técnico, liberdade de expressão, o desenvolvimento industrial sendo por muitos considerado o primeiro designer ou o primeiro pré-modernista. Morre em 1956, em Lisboa.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica