MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quinta-feira, 20 de janeiro de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE CONJUNTO
Museu:
Museu da Música
N.º Conjunto:
Núcleo 2
Tipo:
Conjunto
Denominação:
Núcleo 2: Viva a República!
Descrição:
Período de 1910 a 1913
Origem / Historial:
"Na sequência da implantação da República, os defensores da criação de um museu instrumental acreditam que é chegada a oportunidade para avançar com o projecto. Entre estes, o mais acérrimo defensor e activista é Michel'angelo Lambertini, que resolve tomar em mãos a missão de recolher os instrumentos dispersos pelos conventos e instituições do Estado, ao abandono ou deslocados. A conjuntura política e os políticos são, aparentemente, favoráveis. José Relvas, elemento do directório Republicano, Ministro das Finanças do 1º Governo Provisório, amante da música e amigo de Lambertini, seria a porta de entrada. Lambertini é nomeado pelo Ministério do Interior para efectuar a recolha dos instrumentos do Estado. Todavia, a jovem República tem uma prioridade: viabilizar-se economicamente para não ser derrubada. Neste contexto, José Relvas, que acabara de organizar o IV Congresso Internacional de Turismo para atrair receitas a Portugal, e nesse âmbito tinha criado um grande museu em Mafra para receber os congressistas, deu ordens expressas para que nenhum objecto fosse dali retirado. Entretanto, algumas instituições do Estado possuidoras dos instrumentos musicais mostram-se pouco receptivas à recolha feita por Lambertini. A questão atinge o seu ponto crítico com o levantamento dos instrumentos de Mafra, que colocam José Relvas e Michel'angelo Lambertini em colisão de interesses. Como consequência, Lambertini é demitido do encargo e os 146 instrumentos entretanto recolhidos e guardados no Palácio das Necessidades ficam retidos pela Comissão de Arrolamento dos Paços. Estes instrumentos levantados por Lambertini em diversas instituições do Estado nunca chegaram a integrar o Museu Instrumental, nem o actual Museu da Música. Os instrumentos e os livros de música aqui presentes (no núcleo 2), únicas peças desta primeira recolha que se conseguiram localizar, são os de Mafra porque regressaram àquele palácio durante a 1ªa República. Embora sejam as únicas peças passíveis de estar aqui, dado que não se sabe do paradeiro das restantes, este núcleo é, simbolicamente, o que melhor representaria o projecto preconizado por Lambertini para o Museu Instrumental já que, das diversas recolhas, a de Mafra foi a única que incluiu livros, que se destinavam à Biblioteca especializada nas várias temáticas da arte musical e que complementaria o museu." APT In catálogo da exposição, pág. 172 Recolha dos Instrumentos Musicais do Estado (1912-1913) Os instrumentos deste núcleo sugerem um olhar sobre uma colecção de instrumentos musicais que começou a ser reunida em 1911 por Michel'angelo Lambertini e por vontade expressa do Governo de então. Fundamentado no critério seguido para a organização do Museu de Arte Antiga, formado a partir do espólio dos conventos extintos em 1834, e preconizando o advento de situação idêntica com a abolição da Monarquia e das congregações religiosas, Lambertini, recomendado por alguns vultos republicanos, como José Relvas e João Cupertino Ribeiro, obteve do governo a emissão de uma portaria, publicada no Diário Oficial de 22 de Dezembro de 1911, que o incumbia da recolha e ordenação dos instrumentos musicais que encontrasse em edifícios públicos ou religiosos, sem quaisquer custos para o Estado. O Palácio das Necessidades foi o primeiro local para onde começaram a convergir; a partir de 1912, instrumentos musicais e outros objectos acessórios, provenientes dos Museus Arqueológico, de Arte Antiga, dos Coches, de Artilharia, da Academia das Ciências, dos Conventos de Mafra e de Brancanes em Setúbal, dos Palácios da Vila de Sintra e da Pena, das Igrejas do Sacramento a Alcântara e de S. Pedro em Marateca, Setúbal. Há três instrumentos musicais na exposição (2 cavaquinhos e uma guitarra portuguesa) oriundos do Convento de Mafra e correspondentes aos números 28,30 e 31 da lista da recolha de Lambertini. MHT in Catálogo da Exposição, pág. 184
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica